24/05/2016

ENGANO


@

Passou por mim, olhou-me, ar maroto,
Respirou fundo com ar caritativo,
Com voz trémula disse: Olá garoto.
E sorriu com ar convidativo.

Olhei-a desconfiado, pois então,
Como pode uma moça assim tão bela
Cortejar um pobre velho setentão
Com idade p’ra ser mais que avô dela.

E antes de entrar na pastelaria,
Com um ar natural ou talvez não,
Disse que queria a minha companhia
Porque sempre detestara a solidão.

Fiquei sem saber o que fazer
Mas um homem, se o é, enfrenta o perigo,
Resolvi por isso aquiescer
E enfrentar aquele tão belo inimigo.

Escolheu uma mesa lá no canto
E ofereceu-me a cadeira, sorridente,
Parecia feliz com o meu ar de espanto,
Parecia mesmo estar muito contente.

Perguntou-me então o que é que eu queria,
Dizendo a seguir: Sou eu que ofereço!
Depois disse com louca alegria:
Eu bem sei que louca lhe pareço.

Mas daqui a pouco vai compreender
A razão de assim me comportar
E o sorriso que em seus lábios espero ver
Será o prémio que desejo conquistar.

Agora olhe p’rá porta por favor,
Não p’ra esse, aqui p’ra este lado…
Aquele jovem a entrar é meu amor
Que é seu neto e também meu namorado.

@


2016-04-17

Nogueira Pardal




a ouvir - Bossa Nova Jazz Instrumental