segunda-feira, 14 de julho de 2014

MOMENTO AZUL

“Naquele dia fazia um azul tão límpido, meu Deus, que eu me sentia perdoado pra sempre 
não sei de quê.” 

―Mario Quintana

casas alentejanas


AZUL

Falei, falo, falarei
de um tempo azul, um tempo transparente,
um tempo de traineiras cheias de alegria e prata.

Falei, falo, falarei
de um tempo de telhados preguiçosos,
um tempo obsessivamente azul
com a Primavera a pousar
no tímido suspiro das rosas
pela manhã.

Aprendo uma e outra vez
como é diferente o tempo azul em cada idade,
em cada inquietação,
em cada tempo.

Relembro
o carrossel de todos os azuis,
nos rasgões da herança sonâmbula
que os deuses deixam
a quem queira desvendar os caminhos obscuros
desta vida.

Relembro o primeiro azul na cicatriz polar,
o índigo com seu corpo de caju e peixe seco,
o azul dos meus 6 anos na ilha de todos os piratas,
o azul Neruda, Ilha Negra, Patagónia,
o altivo e frio azul
no rosto de porcelana
das dinastias chinesas.
E o triste, o negro azul
das plantações de algodão.
E o mentiroso azul argentino,
escondendo em si o tango que é vermelho,
feito de veludo ou vinho
ou sangue coalhado.

Cada azul acorda vestido de outras sedas.
Cada azul carrega seu navio, seu mar, seu sonho,
seu cardume de espigas e searas,
sua pequena azeitona no bolso do coração.

De todos os azuis que visitei
guardo no mais doce da lembrança
o azul dos rodapés das casas alentejanas,
o azul da digna respiração das casas alentejanas,
o azul com que as casas alentejanas
oferecem, em cada sombra, um mar inventado
à dolorosa secura do chão.


José Fanha



Manuel d'Oliveira - O Momento Azul



 DESEJO-VOS UMA SEMANA CHEIA DE AZUL !



13 comentários:

  1. Obrigada amiga. Quem não precisa do azul na sua vida? Boa semana para ti tambem.

    ResponderEliminar
  2. Amorosos azuis em vista e em lembranças, acalmam o sentir de quem os vê, adornam, o olhar de quem os sente, poetizam o viver de quem os lê; lindamente destacados nesse poema.

    Dias azulados pra ti, Fê.
    Bjos,
    Calu

    ResponderEliminar
  3. Fanha, no seu melhor.
    Blue ... is my colour :-)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Oi, Fê!
    Que paz senti agora lendo a sua postagem! Não sei se é porque amo azul, não sei se é culpa do Quintana ou da música linda que escolheu... Ah, a poesia de Jose Fanha que não conhecia, que bela!!
    Post perfeito, vou dizer! :)
    Boa semana!!
    Beijus,

    ResponderEliminar
  5. gostei da poesia do José Fanha e os azuis vivem em mim...sempre!

    beijo

    :)

    ResponderEliminar
  6. Belo e sereno momento querida amiga de uma paz apaziguadora ,muitos beijinhos uma feliz semana cheia de alegria .

    ResponderEliminar
  7. Declamada pelo autor
    A poesia teria outro sabor.
    :)

    Lindas as casas e foto.

    ResponderEliminar
  8. O azul
    Os caminhos do sul
    Os tons sublimes das telas de Picasso
    E as penas das asas do meu pássaro

    :))

    (belo, o poema do Fanha)

    ResponderEliminar
  9. Rua muito bonita; foto bonita.

    Gosto muito destas ruas típicas alentejanas.

    Um bom dia :)

    ResponderEliminar
  10. O Azul, mais que tudo, para mim significa a cor do Autismo, e não podia ser mais brilhante.
    Obrigada prima
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. E o verão é azul... :)
    Boa semana!

    ResponderEliminar
  12. Gosto muito da poesia do José Fanha. Gostei deste poema em tons de azul.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  13. Um final de semana plenamente azul minha querida amiga!
    Muitos bjs

    ResponderEliminar



Obrigada por estarem desse lado!
Fê Blue Bird