quarta-feira, 8 de outubro de 2014

" Outono - Tempo de Colheita "

A vida
 é o bago de uva
 macerado
 nos lagares do mundo
 e aqui se diz
 para proveito dos que vivem
 que a dor é vã
 e o vinho breve.

" SALMO " - Carlos de Oliveira, em 'Cantata' (1921-1981)
@

CANÇÃO DA VINDIMA (BEIRA BAIXA)


Não se me dá que vindimem
vinhas que eu já vindimei.
Não se me dá que outros logrem
amores que eu já rejeitei.


Fui um ano à vindima,
pagaram-me a trinta réis;
Dei um vintém ao barqueiro, Ai
Fui p´ra casa com dez réis,

Dei um vintém ao barqueiro, Ai,
Fui p'ra casa com dez réis.
Pela folha da vindima,
pagaram-me a trinta réis;

Faço-me desentendida, Ai,
A mim não me escapa nada,
Faço-me desentendida, Ai,
A mim não me escapa nada.

Estou debaixo da latada,
nem à sombra, nem ao sol;
Estou ao pé do meu amor, Ai,
o há regalo maior,
Estou ao pé do meu amor, Ai,
Não há regalo maior.





Carlos de Oliveira (1921-1981) nasceu em Belém do Pará, Brasil, e faleceu em Lisboa. Licenciou-se na Universidade de Coimbra em Ciências Histórico-Filosóficas. É um dos grandes poetas deste século, combinando a preocupação de intervenção social (neo-realismo) com a reflexão sobre a escrita no próprio processo da sua produção, o que confere à sua obra grande densidade e agudeza nos efeitos diversificados da sua leitura (Mãe Pobre, 1945, Entre Duas Memórias, 1971). Distinguiu-se como colaborador das revistas Altitude, Seara Nova e Vértice, tendo sido director desta última. Atingiu reconhecimento público na área da poesia e da ficção, tendo-se estreado com Turismo (1942), uma colectânea de poemas, e com o romance Casa na Duna (1943). **

13 comentários:

  1. Que belo momento querida amiga ,desejo-lhe uma feliz noite e um lindo amanhecer ,muitos beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Excelente! Gostei muito.

    As vindimas deixam-me belas recordações de quando garota.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  3. Até ao lavara dos cestos...
    :)
    Bonita vindima!

    ResponderEliminar
  4. Adorei a canção. Já lemos os versos no ritmo. Confesso que não conhecia o autor e vou estar mais atenta aos trabalhos dele, fazendo um giro pela internet (rss). Bjs.

    ResponderEliminar
  5. Mais um momento cheio de beleza. Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. As letras, que a prima descobre...
    E que combina, com as imagens, de extraordinário bom gosto...
    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Minha linda, que bom te reencontrar! Também sentia saudades, mas agora vou te linkar para não mais perder o contato. Apenas vou aguardar que o SAPO (que está em mudanças com os blogs) possa restaurar esta parte.
    Uma vergonha confessar por se tratar de um brasileiro, mas não conhecia nada do Carlos de Oliveira. Gostei da música e dos versos que abrem a postagem. Belas também são as imagens!
    Deixo-te sorrisos e estrelas para enfeitar as horas dos teus dias.
    Com carinho,
    Helena

    ResponderEliminar



Obrigada por estarem desse lado!
Fê Blue Bird