segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

ATÉ 2016 !

Dreamcatcher by Christian Schloe

Quantos de nós, no esplendor da juventude,
sonhámos alcançar as estrelas.
 Quantos, no amadurecer da vida,
continuam a sonhar com o firmamento coberto das mais belas constelações. 
 Quantos, morreram por um sonho.
 Quantos, nos conseguem levar a seguir os seus sonhos. 
Quantos, nos roubam os sonhos,
 nos tiram as estrelas,
nos ferem de morte
ao vermos tanta gente sem capacidade de sonhar. 
Quando essa luminosa luz se extingue
 e se vê a estrela ir embora
 e o coração já não treme,
 e o corpo já não resiste, 
quando essa réstia de luz lentamente se apaga, 
só há um caminho a seguir :

 LUTAR PELOS SONHOS! 

Porque o fim do sonho não é um acabar dos sonhos.
 Quem sonha, sonhará até ao fim,
 até ao expirar.

~~*~~

Desejo, meus queridos amigos e amigas,

que todos nós em 2016, não desistamos de lutar pelos nossos sonhos.

FELIZ ANO NOVO! 

 

a ouvir - Manuel Freire - Pedra filosofal de António Gedeão

domingo, 13 de dezembro de 2015

FELIZ NATAL PARA TODOS OS MEUS AMIGOS, SEGUIDORES E VISITANTES.


a ouvir - "Silent Night"

~~ * ~~ 

NOITE SILENCIOSA

No silêncio da noite os pássaros dormem
Será que sonham?
Acho que se se sonhassem não seriam pássaros
Porque só a humanidade sonha
 por isso não dorme
como eles.

Ao romper do dia os pássaros cantam
Será que sabem ?
Acho que sabem porque os pássaros sentem
Porque nem só a humanidade sente
por isso não canta
como eles. 

No silêncio da noite os homens amam
Será que amam ?
Acho que se amassem não dormiam
Porque só a humanidade odeia
por isso não voa
como os pássaros.



Meus queridos amigos, gostava de neste momento ser um pássaro para poder voar até cada um de vós, cantar-vos, encantar-vos e principalmente desejar-vos
aquilo que penso que os pássaros desejam...

Paz, Amor, Saúde e principalmente Liberdade.

FELIZ NATAL !

Fê blue bird


sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Vamos manter acesa a chama da amizade ?

 Queridos amigos e amigas, este mês, pelos mais variados motivos, "mexe" com os nossos mais profundos sentimentos, e, naqueles dias mais cinzentos e frios, o calor da amizade, aquece-nos e aconchega-nos.
Por isso vou-vos propor para levarem para os vossos blogue esta chama . 

"A chama da amizade "

Porque cada amigo é uma chama que nos aquece o coração.

 Conto convosco para mantê-la acesa !

Fê blue bird

~~ * ~~

~~ Meus amigos virtuais ~~
"Depois que conheci a Internet ganhei muito da vida. 
Ganhei abraços virtuais que chegaram na hora certinha que eu estava precisando; ganhei flores que coloriram meu dia, músicas que me alegraram e também me deixaram saudosa... 
Ganhei horas e horas de riso na frente da tela, que até me fizeram esquecer que estava diante de uma máquina... 
Ganhei também pontadas no coração, algumas decepções, lágrimas de tristeza e de alegria... e até colo quando estava doente!!! 
Ganhei, em resumo, amigos em todas as partes do mundo! 
Virtual é uma ideia que nossa imaginação sustenta. Mas os amigos virtuais vão muito além disso: eles tornam-se uma realidade física, benéfica e necessária. 
Só não nos esqueçamos que a vida tem dois lados e que à nossa volta o mundo sofre de carência e solidão. 
A internet torna-se um vício para muitos e temos que procurar onde estão os limites. 
A moderação do nosso comportamento diante da tela vai nos fazer ganhar amigos inúmeros espalhados por aí, tais flores campestres, belas e livres... e vai solidificar as outras amizades que nos envolvem, flores essas belas no jardim na nossa casa, mas frequentemente esquecidas... "
  Letícia Thompson

a ouvir - Lorie Line- In Dreams

sábado, 28 de novembro de 2015

“Sete Letras”

Christian Schloe


Esta palavra Saudade
Sete letras de ternura
Sete letras de ansiedade
E outras tantas de aventura

Esta palavra saudade
A mais bela e a mais pura
Sete letras de verdade
E outras tantas, de loucura

Sete pedras, sete cardos
Sete facas e punhais
Sete beijos que são dados
Sete pecados mortais

Esta palavra saudade
Dói no corpo devagar
Quando a gente se levanta,
fica na cama a chorar

Esta palavra saudade
Sabe a sumo de limão
Tem um travo de amargura,
Que nasceu no coração

Ai palavra amarga e doce
estrangulada na garganta
Palavra com se fosse
o silêncio, que se canta

Meu cavalo imenso e louco
a galopar na distância
Entre o muito e entre o pouco,
que me afasta da infância

Esta palavra saudade
é a mais prenha de pranto,
como um filho que nascesse
Por termos sofrido tanto

Por termos sofrido tanto
É que a saudade está viva
São sete letras de encanto
Sete letras por enquanto,
Enquanto a gente for viva

Esta palavra saudade
sabe ao gosto das amoras
Cada vez que tu não vens,
cada vez que tu demoras

Ai palavra amarga e doce,
debruçada na idade
Palavra como se fossemos
resto de mocidade

Marcada por sete letras
a ferro e a fogo no tempo
Ai, palavra dos poetas
que a disparam contra o vento

Esta palavra saudade
dói no corpo devagar
Quando a gente se levanta
fica na cama a chorar

Por termos sofrido tanto
É que a saudade está viva
São sete letras de encanto 

 Sete letras por enquanto,
Enquanto a gente for viva

Ary dos Santos


a ouvir... ♫  Simone de Oliveira

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Em 100 anos, o que realmente mudou na vida das mulheres?

Vídeo questiona situações de desigualdade de género num período de 100 anos e justifica necessidade do feminismo.


Muitas pessoas ainda acreditam não haver motivos para o feminismo, entre elas, infelizmente, está um grande número de mulheres. Mas, todos sabemos que uma série de situações de injustiça e desigualdade de géneros são comuns na nossa sociedade, o que justifica a necessidade das mulheres ainda hoje, lutarem pelos seus direitos.
O canal de televisão Focus Features deixou muito claro muitas destas questões ao fazer uma experiência com jovens adolescentes. Elas foram convidadas a responder, se alguns dados alarmantes, como por exemplo, "62 milhões de meninas não vão para a escola" ou " 70% da população que sobrevive com menos de um dólar por dia são mulheres", correspondem a 1915 ou a 2015.

Assistam e façam a vossa própria reflexão.



Portugal é o sexto país da UE com maior desigualdade de género.


~~ * ~~

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

A.M.O.R.

Margarita Sikorskaia

Podes rezar ao teu Deus que eu rezo ao meu,
Talvez o meu Deus seja o teu,
Porque só há um Deus no nosso céu,
Chama-se A.M.O.R.
Chama-se
A.M.O.R.

O meu Deus não usa balas nem se explode na multidão,
Que o teu Deus não use ferros nem se esconde na Santa Inquisição,
Porque cada um tem um Deus na sua mão,
E o nosso chama-se
A.M.O.R.
E alguém pergunta ao longe e eu digo:
A.M.OR.

E se o meu Deus fosse uma Mulher e o teu também,
E se se beijassem na boca e no céu se ouvisse: ' Amén!',
Porque todos os Deuses tem destino de Mãe,
E o nosso é A.M.O.R.
Não é outro o nosso Deus que não
A.M.O.R.
E alguém me diz ao longe chama-se
A.M.O.R.
E há pobres e loucos que dizem:
A.M.O.R.

Podes pedir ao meu Deus que eu peço ao teu,
Que nos dê a Paz e a Luz e a Vida que nenhum ódio venceu,
Porque sabes onde estiver esse Deus estarás tu, estarei eu,
É um Deus que dá pelo nome
A.M.O.R.
E tu perguntas como se chama esse Deus e eu digo:
A.M.O.R.

E os tristes e os fracos dizem:
A.M.O.R.
E são poucos os loucos que não tem
A.M.O.R
E é por isso que eu quero que tu digas comigo A.M.O.R.
E alguém na rua diz
A.M.O.R.
E eu digo mais uma vez
A.M.O.R.
Chama-se
A.M.O.R.

 (Pedro Abrunhosa/Pedro Abrunhosa)


~~ * ~~

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

{ lavar o olhar }

Quero pintar o sol
Esquecer meu penar
Descansar no verde
e nele ficar...

Quero cantar o rio
Lavar meu olhar
Subir para o azul
e nele voar ...

Quero beber a chuva
Saborear o ar
Brincar com o vento
e nele acalmar...

Quero uma nova História
Um novo contar
Um mundo fraterno
e nele sonhar...

Fê blue bird

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

A Mente Livre Está em Perigo

desenho crayon da minha amiga Léah

"A nossa espécie é a única espécie criativa, e tem apenas um único instrumento criativo, a mente e espírito únicos de cada homem. Nunca nada foi criado por dois homens. Não existem boas colaborações, quer em arte, na música, na poesia, na matemática, na filosofia. De cada vez que o milagre da criação acontece, um grupo de pessoas pode construir com base nela e aumentá-la, mas o grupo em si nunca inventa nada. A preciosidade reside na mente solitária de cada homem.

E agora existem forças que enaltecem o conceito de grupo e que declararam uma guerra de exterminação a essa preciosidade, a mente do homem. Através das mais variadas formas de pressão, repressão, culto, e outros métodos violentos de condicionamento, a mente livre tem sido perseguida, roubada, drogada, exterminada. E este é um rumo de suicídio colectivo que a nossa espécie parece ter tomado.

E é nisto que eu acredito: que a mente livre e criativa do homem individual é a coisa mais valiosa no mundo. E é por isto que eu estou disposto a lutar: pela liberdade da mente tomar qualquer direcção que queira, sem direcção. E é contra isto que eu vou lutar com todas as minhas forças: qualquer religião, qualquer governo que limite ou destrua o indivíduo. É isto que eu sou e é esta a minha causa. Posso até compreender que um sistema baseado num padrão tenha que destruir a mente livre, pois esta é a única coisa que pode inspeccionar e destruir um sistema deste tipo. Concerteza que compreendo, mas lutarei contra isso por forma a preservar a única coisa que nos separa das restantes espécies. Pois se a mente livre for morta, estaremos perdidos.

John Steinbeck, in 'A Leste do Paraíso'

~~ * ~~

a ouvir... Sia - Bird Set Free 

Bird Set Free
Clipped wings, I was a broken thing
Had a voice, had a voice but I could not sing
You would wind me down
I struggled on the ground
So lost, the line had been crossed
Had a voice, had a voice but I could not talk
You held me down
I struggle to fly now

But there's a scream inside that we are frightened
We hold on so tight, we cannot deny
Eats us alive, oh it eats us alive
Yes, there's a scream inside that we are frightened
We hold on so tight, but I don't wanna die, no
I don't wanna die, I don't wanna die

I'm not gon' care if I sing off key
I find myself in my melodies
I sing for love, I sing for me
I shout it out like a bird set free
No I don't care if I sing off key
I find myself in my melodies
I sing for love, I sing for me
I'll shout it out like a bird set free
I'll shout it out like a bird set free
I'll shout it out like a bird set free

Now I fly, hit the high notes
I have a voice, have a voice, hear me roar tonight
You held me down
But I fought back loud

But there's a scream inside that we are frightened
We hold on so tight, we cannot deny
Eats us alive, oh it eats us alive
Yes, there's a scream inside that we are frightened
We hold on so tight, but I don't wanna die, no
I don't wanna die, I don't wanna die

I'm not gon' care if I sing off key
I find myself in my melodies
I sing for love, I sing for me
I shout it out like a bird set free
No I don't care if I sing off key
I find myself in my melodies
I sing for love, I sing for me
I'll shout it out like a bird set free

I'll shout it out like a bird set free
I'll shout it out like a bird set free
I'll shout it out like a bird set free
I'll shout it out like a bird set free
I'll shout it out like a bird set free


sexta-feira, 13 de novembro de 2015

"Gosto dos meus erros; não quero prescindir da liberdade deliciosa de me enganar." *

* Charles Chaplin

Conseguem ver as mulheres nas imagens?

Jörg Düsterwald


Estas fotografias são o resultado de muitas horas de maquilhagem e muitos anos de experiência do artista alemão Jörg Düsterwald de 49 anos, vencedor de vários prémios de pintura, consagrou-se na arte de camuflar pessoas em paisagens. O seu desafio é "enganar o olho humano".

 ~~ * ~~

E por falar em enganar, a empresa Sacla, uma das empresas de produtos alimentares mais progressistas de Itália, fez uma grande surpresa numa escola primária de Buckinghamshire, encenando uma ópera improvisada na cantina à hora de almoço.
Quatro cantores de ópera disfarçados como pessoal da cantina, invadiram a sala e começaram a cantar um medley empolgante dos clássicos italianos de Verdi, Puccini e Rossini.
O desempenho impressionante dos cantores emocionou as crianças, cujas reacções de espanto,medo e alegria foram capturadas pelas câmaras instaladas nos bastidores. 



~~ * ~~


terça-feira, 10 de novembro de 2015

Quem vai ganhar ?

O "Golden Retriever" da esquerda ou o da direita ?

Bem, o melhor é chamar um árbitro isento e justo ! :)

 {Qualquer semelhança com a política nacional é pura coincidência.}

"O que realmente nos separa dos animais é a nossa capacidade de esperança."
José Saramago

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

{ para a minha filha...

...que hoje faz 26 anos. }
© Katie m. Berggren

Que nunca te falte:
A estrada que te leva e a força que te levanta
O amor que te humaniza e a razão que te equilibra
O pão de todo dia e o verso de cada poema.

[Lou Wit]

~~ * ~~



Querida Filha:
 embora as saudades sejam muitas
só quero que sejas feliz !
a minha filha -Tailândia

 Um grande beijinho da tua mãe que te adora !

Fê blue bird

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

{ quero acreditar }

 que ainda há histórias com final feliz.

ENYA / EL SUEÑO DE LAS HADAS 


imagem retirada daqui

MÃEZINHA

Andam em mim fantasmas, sombras, ais... 
Coisas que eu sinto em mim, que eu sinto agora;
Névoas de dantes, dum longínquo outrora;
Castelos d'oiro em mundos irreais...

Gotas d'água tombando... Roseirais
A desfolhar-se em mim como quem chora...
— E um ano vale um dia ou uma hora,
Se tu me vais fugindo mais e mais!...

Ó meu Amor, meu seio é como um berço
Ondula brandamente... Brandamente...
Num ritmo escultural d'onda ou de verso!

No mundo quem te vê?! Ele é enorme!...
Amor, sou tua mãe! Vá... docemente
Poisa a cabeça... fecha os olhos... dorme...

Florbela Espanca, in 'Antologia Poética'
 

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Tempo de Castanhas


ilustração de Isabella Ahmadzadeh

No Outono os dias vão ficando mais pequenos, as folhas caiem formando um manto castanho, o vento sopra com mais intensidade e o frio espalha-se entre nós.
E quanto mais frio está mais somos convidados a comprar as castanhas quentinhas que sorriem para nós com a sua boca aberta num pedido de que as provemos.
Recordações de quando era pequena, pela mão dos meus pais, aguardava impaciente, a minha vez de adquirir um pacote de castanhas.
Lembranças do tempo da escola em que corríamos para ver quem conseguia chegar primeiro e ter as castanhas mais quentinhas. Lembro-me daquele grupo de crianças à nossa volta, olhar de súplica de quem não podia comprar castanhas. E havia sempre partilha, uma a uma íamos distribuindo as nossas castanhas. O sorriso agradecido das crianças era suficiente para nos compensar.

Lisboa 1966


 Na Praça da Figueira,
ou no Jardim da Estrela,
num fogareiro aceso é que ele arde.
Ao canto do Outono,à esquina do Inverno,
o homem das castanhas é eterno.
Não tem eira nem beira, nem guarida,
e apregoa como um desafio.

É um cartucho pardo a sua vida,
e, se não mata a fome, mata o frio.
Um carro que se empurra,
um chapéu esburacado,
no peito uma castanha que não arde.
Tem a chuva nos olhos e tem o ar cansado
o homem que apregoa ao fim da tarde.
Ao pé dum candeeiro acaba o dia,
voz rouca com o travo da pobreza.
Apregoa pedaços de alegria,
e à noite vai dormir com a tristeza.

Quem quer quentes e boas, quentinhas?
A estalarem cinzentas, na brasa.
Quem quer quentes e boas, quentinhas?
Quem compra leva mais calor p'ra casa.

A mágoa que transporta a miséria ambulante,
passeia na cidade o dia inteiro.
É como se empurrasse o Outono diante;
é como se empurrasse o nevoeiro.
Quem sabe a desventura do seu fado?
Quem olha para o homem das castanhas?
Nunca ninguém pensou que ali ao lado
ardem no fogareiro dores tamanhas.

Quem quer quentes e boas, quentinhas?
A estalarem cinzentas, na brasa.
Quem quer quentes e boas, quentinhas?
Quem compra leva mais amor p'ra casa.

Ary dos Santos


Lisboa, Praça D. Pedro V, 1907
 fotos retiradas daqui

~~ * ~~ 
As castanhas possuem um delicioso sabor, consistentes como uma batata e são perfeitas para os meses mais frios, feriados ou como petisco para um dia qualquer. Embora tostar ou assar as castanhas sejam os métodos mais comuns, também podem cozê-las, assá-las no forno ou prepará-las no micro-ondas.  Vejam aqui algumas dicas muito simples e deliciosas.


segunda-feira, 26 de outubro de 2015

FALSO SONHO

Andrian Bekiarov

Sempre que fecho os olhos p'ra sonhar
Vejo o mundo diferente, bem melhor,
Vejo o céu mais brilhante, com mais cor,
Vejo o verde da terra a despontar,

Vejo  homens felizes a cantar
E  peitos das mulher cheios de amor
E crianças envoltas no calor
De quem as ama porque as quer amar.

Vejo ternura, amor e alegria,
Vejo o sol a brilhar em cada dia
Fonte de vida e luz que nos inspira.

Mas quando eu abro os olhos p'ra viver
Quase sinto desejo de morrer
Ao constatar que o sonho era mentira.

Nogueira Pardal

~~ * ~~


Rodrigo Leao - Sleepless Heart 



quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Quem concorda com o passarinho ?

" Foi um passarinho que me contou que não vale a pena desistir dos sonhos, nem esconder sentimentos.
 Que não é bom voar sozinho, e que todo mundo quer formar um ninho.
-  E eu, concordo com o passarinho”
 (Darkyn.)
Agonjaka

Abbey Lincoln - "Bird Alone"
*

As aves são animais de sangue quente, o que significa que mantêm a temperatura corporal independentemente do meio ambiente onde se encontram. No entanto, quando está muito frio, o seu pequeno tamanho obriga-as a adaptar-se e a trabalhar em equipa, então, elas se amontoam em grupinhos para se aquecerem, apoiarem e protegerem.


Outra vantagem deste tipo de abraço comunal é ganhar protecção extra contra predadores, já que existe a hipótese de alguma ave não conciliar um sono profundo e em caso de alerta pode avisar as outras. 

Via: Peter
autor desconhecido
Katherine Westover
 Keith Williams
Kit Day
20 fotos de pássaros abraçadinhos que também aqueceram seu coração 11
Arteragazzina (Vanessa)
Algumas pesquisas recentes  indicam que esse empoleiramento colectivo em algumas espécies, tais como os estorninhos, pode servir como um centro de informação, permitindo que os pássaros compartilhem, entre outras coisas, informações sobre melhores fontes de alimento e assim terem mais hipóteses de sobreviverem.

~~ * ~~

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

{ injustiça }

 Margarita Sikorskaia

A injustiça, principalmente quando a sentimos na infância ou juventude, numa idade em que acreditamos nos outros, é uma mágoa que se instala dentro de nós, assenta arraiais e nunca desaparece.
Ao longo da vida, se confidenciamos este espinho instalado dentro do coração, poucos compreendem, porque acham que é coisa do passado, sem importância.
Quantos de nós transportamos estas feridas uma vida inteira, como uma voz escondida algures e que por maldade nos presenteia nos momentos mais inoportunos avivando-nos a memória.
Ao atingirmos a idade em que aprendemos a escolher o que nos incomoda e por conseguinte tentamos viver em paz com o mundo, não é mais do que o momento em simplesmente deixamos de de ter expectativas sobre os outros e pensamos que deste modo já estamos curados e imunes a novas injustiças...pura ilusão
Porque quando assistimos às  injustiças que são feitas aos nossos filhos, às nossas crianças, aos nossos jovens, injustiças que lhes roubam a inocência e os sonhos próprios da sua condição, chegamos à conclusão que infelizmente a nossa antiga ferida continua sangrando.

Fê blue bird
Sad piano by Michael Ortega

domingo, 11 de outubro de 2015

[ nunca é tarde demais ]

NUNCA É TARDE DEMAIS PARA...VOAR !


" Cada um de nós nasce com um artista lá dentro.Um poeta, um escultor, um aventureiro...um cientista, um pintor, um arqueólogo, um estilista, um astronauta, um cantor, um marinheiro.
E o sonho e a distância, e o tempo e a saudade deram-nos vida, amor, problemas, mentiras e verdade; e damos por nós mesmos descobrindo que agora, se calhar, já é um pouco tarde. E nas memórias velhas e secretas da menina morou sempre aquele sonho de um dia ser... bailarina, actriz, modelo, princesa, muito rica; eu sei lá!
Mas os anos correram num assombro, e a vida foi injusta em qualquer jeito para a chama indelével que ainda arde. E os filhos são bonitos no seu peito. Pois é... mas agora... agora já é tarde.
E nos papéis antigos que rasgamos há sempre meia dúzia que guardamos. São os planos da conquista do Pólo Norte que fizemos aos sete anos, escondidos no sótão uma tarde, e estiveram perdidos trinta anos. E agora, se calhar, maldita sorte! Por desnorte, acaso ou esquecimento, alguém já descobriu o Pólo Norte e agora... agora pronto, agora já é tarde.
Há sempre nas gavetas escritores secretos, cientistas e doutores, desenhos e projectos construtores feitos em meninos de tudo o que sonhámos fazer quando fosse a nossa vez!
Cientistas em busca de Plutão, arqueólogos no Egipto, viajantes sempre sem destino, futebolistas de sucesso no Inter de Milão. E o curso da vida foi traidor, e o curso da vida foi cobarde, e o ciclo do tempo completou-se, e agora... e agora pronto, paciência, agora já é tarde... Agora é tarde.
Emprego, casa, filhos muito queridos, algum sonhar ainda com amigos, às vezes sair, beber uns copos p’ra esquecer ou p’ra lembrar, e fazer ainda um certo alarde, talvez para esconder ou para abafar, como é já tão demasiado e tão impiedosamente tarde...
Não... mas não, não; nunca é tarde para sonhar!
Amanhã partimos todos para Istambul, Vladivostock, Alasca, Oslo, Dakar! Vamos à selva a Timor abraçar aquela gente e às montras de Amsterdam (que eu afinal também não sou diferente). Chegando a Tóquio são horas de jantar, depois temos de voltar a Bombaim, passando por Macau e Calcutá, que eu encontro Portugal em todo o lado e mesmo fugindo nunca saio de mim.
E se esse marinheiro, galã, aventureiro, esse, que já não há, pois que me saiba cumprir com coerência, nos limites decentes da demência, nos limites dementes da decência; e cumpramo-nos todos, já agora, até ao fim, no que fazemos, na diferença do que formos e dissermos!
E perguntando, criando rebeldias, conferindo aquilo que acreditamos e que ainda formos capazes de sonhar!
E se aquilo, aquilo que nos dão todos os dias não for coisa que se cheire ou nos deslumbre, que pelo menos nunca abdiquemos de pensar com direito à ironia, ao sonho, ao ser diferente.
E será talvez uma forma inteligente de, afinal, nunca... nunca, nunca ser tarde demais para viver, nunca ser tarde demais para perceber, nunca ser tarde demais para exigir, nunca ser tarde demais para ACORDAR. "

Pedro Barroso, "Navegador do Futuro"



BOA SEMANA !

Fê blue bird

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

{ papagaios de papel }


Ali estava ela, sentada na esplanada que tão bem conhecíamos, aproximei-me nervosamente...
- Desculpa atrasei-me...o trânsito estava insuportável.
- Não faz mal, senta-te, o que queres beber?
- Só um café.
Enquanto a empregada o servia, ela tentava impedir as lágrimas que os seus olhos teimosamente pediam. Estendeu-me a mão e eu pedi-lhe que parasse!
- Desculpa, pensei muito, mas não te posso dar o que precisas...
A vista daquele lugar era magnífica, estávamos tão alto que podíamos ver muito abaixo de nós, os papagaios de papel que dançavam com o vento e as copas das árvores coloridas, estávamos no início do Outono, num daqueles dias em que tudo parece perfeito.
Entregou-me um papel dobrado.
- Para leres depois.
Tentei falar, só que não havia mais nada para dizer.
Levantou-se, voltou-me as costas e saiu.
Mergulhei num misto de culpa e de certeza, desdobrei o papel amarrotado na minha mão...
" Não sei o que me assusta mais, se o desejo que nos esmaga, se a nossa infinita capacidade para o esmagar.  Tua, para sempre ! "
Fê blue bird


Dalida - Je Suis Malade

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Nem tudo são más notícias...

... leãozinho, afinal o Sporting ontem ganhou por 5 a 1 !


O grupo português de coro de câmara Contraponto tornou-se um fenómeno no Youtube com a sua interpretação de uma junção de temas do filme Rei Leão. Em apenas dois dias, o vídeo foi visto por mais de 60 mil pessoas.
O grupo formado em Viana do Castelo interpreta vários temas do filme, mas sem recurso a qualquer instrumento. Esta técnica, chamada a cappela, torna mágica a interpretação, num vídeo cuidado do ponto de vista da produção. Em apenas dois dias, foram mais de 60 mil as pessoas que viram o vídeo e o fenómeno promete não ficar por aqui. Boas vozes, boa música, boa apresentação… ao fim e ao cabo, tudo o que pretendemos quando procuramos por música.




BOA SEMANA !

Fê blue bird

sábado, 3 de outubro de 2015

Eu ainda procuro nos olhos do meu gato os dias maiores de Abril.

A minha MOODY

 

Português Vulgar


O meu gato deixa-se ficar
em casa, arejando o prato
e o caixote das areias. Já não vai
de cauda erguida contestar o domínio
dos pedantes de raça, pelos
quintais que restam. O meu gato
é um português vulgar, um tigre
doméstico dos que sabem caçar ratos e
arreganhar dentes a ordens despóticas. Mas
desistiu de tudo, desde os comícios nocturnos
das traseiras até ao soberano desprezo
pela ração enlatada, pelo mercantilismo
veterinário ou pela subserviência dos cães
vizinhos. Já falei deste gato
noutro poema e da sua genealogia
marinheira, embarcada nas antigas
naus. Se o quiserem descobrir, leiam
esse poema, num livro certamente difícil
de encontrar. E quem procura hoje
livros de poemas? Eu ainda procuro,
nos olhos do meu gato, os
dias maiores de Abril.

Inês Lourenço, in 'Logros Consentidos'



Fernando Lopes Graça : ACORDAI !

sábado, 26 de setembro de 2015

" O Outono é uma estação para recriar, ressurgir das cinzas ... florescer. " *

* frase de Luiza Gosuen

"A MELHOR ESTAÇÃO PARA A ALMA É O OUTONO, MÊS DAS NOSTALGIAS, DAS RECORDAÇÕES , DO CHEIRO DA MÃE TERRA, DA PREPARAÇÃO PARA UM NOVO CICLO DE VIDA. POIS TAL COMO AS ÁRVORES, TAMBÉM NÓS PASSAMOS POR UM PROCESSO PROFUNDO DE RECICLAGEM, ONDE DEIXAMOS IR O QUE NÃO NOS SERVE PARA RECEBERMOS O NOVO QUE HÁ-DE VIR. "

Lance Johnson



GOSTO DO OUTONO ! 

Gosto dos tons quentes 
e dourados que vestem
 a paisagem e
 do aroma a terra quando cai
 as primeiras chuvas.

 
Gosto dos frutos,
 uvas, romãs, dióspiros e
 castanhas, cozidas ou assadas,
com cheiro a infância.


Gosto dos serões no sofá
enroscada numa manta
 com a minha gatinha ao colo
ronronando...


Gosto das roupas,
das echarpes coloridas,
da suavidade das malhas,
  de lhes sentir o calor e o aconchego.


Gosto dos raios de sol
 quentes nas tardes frias,
 das torradas com doce de maça e canela
acompanhadas com capuccino.



Gosto de estar aqui,
rodeada de amigos,
enquanto ouço a bela melodia
e escrevo o que me vai na alma...

...UMA ALMA DE OUTONO !


Fê blue bird










Autumnal Equinox (Narsilion)  


sábado, 19 de setembro de 2015

SEIS ANOS !


"Peter Gabriel - Don't Give Up"

Acho que cheguei ao topo desta "montanha" e estou a questionar se devo ou não manter-me por aqui ou... voar !
O facto de neste momento não ter o meu computador a colaborar, associado ao cansaço e a algum desanimo está a facilitar-me esta decisão. 
Há seis anos que faço esta escalada, tentando sempre manter-me fiel ao percurso que defini no início. Construí amizades que ultrapassaram a barreira do virtual. Desabafei, ri, chorei e principalmente partilhei momentos que guardarei sempre no meu coração.

Agradeço a todos vós meus queridos amigos e amigas, a ajuda e o carinho que sempre me dispensaram ao longo deste percurso maravilhoso.

Um beijinho comovido e um abraço apertado

Fê blue bird



quarta-feira, 16 de setembro de 2015

{ caderno de capa preta }


John Lautermilch

" Sentada na sala de espera daquele velho hospital, Rosa pegou no seu pequeno caderno de capa preta que sempre a acompanhava, ali, em letras miudinhas e perfeitas, escrevia tudo o que lhe ia alma, os sonhos, as desilusões, os devaneios e ultimamente os medos que a sobressaltavam.
A escrita sempre fora o seu refúgio, a sua companhia e nunca a decepcionara, até hoje !
Por mais que tentasse, nada saía da sua cabeça e as suas mãos tremiam tanto, de medo, de frio, não sabia.
Estava tão cansada, mas porquê pensava, afinal não se lembrava de ter feito alguma coisa para se sentir assim.
Há muitas horas que estava ali à espera mas não se importava, afinal sempre tinha a companhia de outras pessoas e em casa estava sozinha.
Porque será que hoje não consigo escrever, o que aconteceu comigo, onde estou afinal? Dizia para si baixinho.
Ouviu uma voz forte dizendo que tinha chegado a sua vez, Rosa levantou-se insegura deixando para traz o seu pequeno caderno de capa preta. "
{reeditado}
Fê blue bird

 Hier encore

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

No Fim do Verão

Thierry Draus

No fim do verão as crianças voltam, 
correm no molhe, correm no vento. 
Tive medo que não voltassem. 
Porque as crianças às vezes não 
regressam. Não se sabe porquê 
mas também elas 
morrem. 
Elas, frutos solares: 
laranjas romãs 
dióspiros. Sumarentas 
no outono. A que vive dentro de mim 
também voltou; continua a correr 
nos meus dias. Sinto os seus olhos 
rirem; seus olhos 
pequenos brilhar como pregos 
cromados. Sinto os seus dedos 
cantar com a chuva. 
A criança voltou. Corre no vento.

Eugénio de Andrade, in 'O Sal da Língua'

Alison Krauss - "End of a Summer Storm"

BOA SEMANA!

Fê blue bird 

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Dá-me a tua mão e vamos apreciar o fim de semana !


  As mãos foram feitas
para trazer o futuro,
encurtar a tristeza, encher
o que fica das mãos
de ontem - intervalos
(duros, fiéis) das palavras,
vocação urgente
da ternura, pensamento
entreaberto até
aos dedos longos
pelas coisas fora
pelos anos dentro.

Vítor Matos e Sá - "
Dá-me as Tuas Mãos"


We'll fight, not out of spite
For someone must stand up for what's right
Cause where there's a man who has no voice
There ours shall go singing 

@

BOM FIM DE SEMANA !

Fê blue bird

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Eras capaz ?

Karin Taylor

De te sentares num banco de jardim e comigo escreveres um conto ?
De leres em voz alta para mim um trecho escolhido por ti, de um livro ?
De ouvir-me ler para ti um trecho de um livro escolhido por mim ?
De ouvir-te, ouvindo-me ?
 Eras capaz?

Fê blue bird



Ron Pope - Reason To Hope 


domingo, 6 de setembro de 2015

Dizei amigos , Dizei só a mim ...tiveram saudades minhas ?

Ó ventos do monte
Ó brisas do mar
A história que vou contar
Dum pastor Florival
Meu irmão de Bensafrim natural
Rezava assim
Passava ele os dias
No seu labutar
E os anos do seu folgar
Serras vai serras vem
Seu cantar não tinha fim
O pastor cantava assim
Ó montes erguidos
Ó prados do mar em flor
Ó bosques antigos
Trajados de negra cor
Voa andorinha
Voa minha irmã
Não te vás embora
Vem volta amanhã
Dizei amigos
Dizei só a mim
Todos só de um lado
Quem vos fez assim
Dizei-me mil prados
Campinas dizei
A história que não contei
Serras vai serras vem
O seu mal não tinha fim
O pastor cantava assim
Ó montes erguidos
Ó prados do mar em flor
Ó bosques antigos
Trajados de negra cor
Voa andorinha
Voa minha irmã
Não te vás embora
Vem volta amanhã
Dizei amigos
Dizei só a mim
Todos só dum lado
Quem vos fez assim
Seu bem que ele vira
Num rio a banhar
Ao vê-lo vir espreitar
Nunca mais apareceu
Ao pastor de Bensafrim
Sua dor chorava assim
Ó montes erguidos
Ó prados do mar em flor
Ó bosques antigos
Trajados de negra cor
Voa andorinha
Não te vás embora
Vem volta amanhã
Dizei amigos
Dizei só a mim
Todos só dum lado
Quem vos fez assim

Zeca Afonso -  O PASTOR DE BENSAFRIM

fotos minhas tiradas bem perto de Bensafrim 

BOA SEMANA !

Beijinhos


terça-feira, 28 de julho de 2015

Até Setembro !

VOU...
MERGULHAR NA EVASÃO. DEIXAR PARA TRÁS O CIMENTO
PASSEAR MEU CORAÇÃO. DAR A MÃO AO SENTIMENTO
NA ÁRVORE DA IMAGINAÇÃO. SABOREAR O MOMENTO
ADEUS CARROSSEL DA ILUSÃO. PARTO AO SABOR DO VENTO.

[  fotos de Thomas Barbèy]

Tudo isto para vos dizer, meus amigos e amigas,

que vou fazer uma pausa até Setembro.

 Fiquem bem e pensem em mim :)


Lorie Line -  Think Of Me 

*

"Não chore nas despedidas, pois elas constituem formalidades obrigatórias para que se possa viver uma das mais singulares emoções da vida: 
O reencontro." 
[frase de Richard Bach]

BEIJINHOS A TODOS !