quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Humor às Quintas ! :)

" A belhinha e o ladrão "



Uma belhinha estaba à lareira a fiar e mandou a empregada (Custódia) buscar lã que estaba debaixo da cama, num-a canastra.
Q'ando a criada se baixou, para puxar a canastra, biu que estabam dubaixo da cama dois olhos a luzir e beio a correr, cheia de medo, dezer à patroa:
- Ó ti ' Maria, olhe que dubaixo da cama estão lá dois olhos a luzir que põe medo!...
A belhinha foi esperta, pensou logo qu'era um ladrão, mas duas mulheres o que podiom fazer?
E as forças dela já eram poucas!...Pansou e dixe assim em boz alta, para o ladrão oubir: 
- Num faz mal, debe ser algum probezinho. Chama-o aqui p'ró lume, p'ra s'aquecer, debe estar cheio de frio!
A empregada assim fez e o ladrão, quando oubiu aquilo, ficou descansado e beu p'ra lareira p'ra junto da belhinha e da empregada.
Começaram a cumbersar, a ti' Maria  a fiar e a Custódia a dobar a lã. A ti' Maria a fiar, mas sempre a pensar na maneira como habia de prender o ladrão.
Então começou a contar um-a história que a mãezinha dela contaba. Ela sofria muito, dabam-lhe uns ataques, de bez em q'ando e, nessa altura, gritaba muito, ficaba fora do juízo...e dezia assim :
 - Acalderei, que está aqui um ladrão !... acalderei, que me bão matar !...
O ladrão já aflito dezia assim :
 - Ó minha Sinhora, fale mais baixo, senão a bezinhança bem acudir e pensam que sou algum ladrão!
 - Não, num tenha medo. Eles estão fartos de oubir esta história . Eu conto esta história muitas bezes. Foi a minha mãezinha, lembra-me sempre, Deus a lá tenha em lugar, aquela aflição da minha mãe não me sai da cabeça e dezia de nobo :
 - Acalderei, que me bão matar!... acalderei qu'está aqui um ladrão!...
 - Ó minha Sinhora, conte mais baixinho, senão, daqui nada, eles bem cá prander-me...
 - Esteja descansado, eu conto esta história todas as noites, num é berdade, Custódia ?
 - É sim sinhor !... e a Custódia até ensarilhaba a meada e o nobelo, de bez em q'ando, caía ao chão.
 - Ó Custódia, anda com a dobàdoira mais debagar, se não, 'inda insarilhas isto tudo !
 - Ai patrãozinho, mas aquilo é qu'era sofrer ! Minha rica mãezinha ! E gritaba de novo :
 - Acalderei, qu'está aqui um ladrão...acalderei, que me querem matar...
 Até que bieram os bezinhos e, logo que chegaram, ela disse:
 -Prendei, prendei ! Estaba debaixo da minha cama, não beu p'ra boa coisa...
E assim se librou do ladrão. A sua esperteza e os bons bezinhos a libraram desta aflição.


Memória De Um Povo - Isabel Silvestre


acalderei - acudi, ajudai
bezinhos-  vizinhos

Isabel Silvestre escolhe uma frase bonita (e ao seu jeito) para abrir o livro: « Minha terra, minha gente, minha família ». E é isso mesmo o que vamos  encontrar ao longo das 278 páginas desta obra: um trabalho de pesquisa, exaustiva e minuciosa, que nos fala de «Manhouce: Terras e Gentes»; da «Vida Familiar»; da «Relação com a Terra» e da «Vida Social e Comunal». 

Numa linguagem simples mas erudita, vamos, então, percorrendo os caminhos daquilo que é muito nosso, muito português, e que a autora não deseja perder, mas, antes, legar aos vindouros: Lengalengas; Contos-Religião; Rezas; Modos de Falar; Expressões; Pragas; Provérbios; Adivinhas; Quadras; Romances; Histórias do Zé do Gestoso; Amor; Cantar ao Desafio; Encontros; Recordações de Isabel Silvestre e Partituras (cantigas tradicionais).

Um prazer de leitura, uma simplicidade e rusticidade que agrada e nos faz pensar que os tempos só mudam quando nós deixamos que tal aconteça. Preservar o Passado transportando-o até ao Futuro, como herança de um Povo, que é o nosso, foi o que Isabel Silvestre se propôs fazer, com carinho, empenho e muito trabalho, a merecer a atenção dos leitores.

15 comentários:

  1. Que legal! Gostei!!Valeu ler! bjs praianos,chica

    ResponderEliminar
  2. Que conto fascinante. E parabéns à autora pelo resgate de tão rico acervo oral. Amei ler Fê
    Um beijo minha querida

    ResponderEliminar
  3. Não conhecia. Gostei, acho muito gira essa prenuncia, um pouco de bom humor. A imagem faz-me lembrar os cordões da minha avó, que colocava no meu pescoço e eu quase caía para a frente com o peso sendo eu tão pequenina.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Costumes e tradições... Todas as histórias tenham uma moral, ainda me lembro de muitas que minha mãe contava...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Chamo a isto: serviço público!
    E lembra-me as histórias que meu avô contava

    ResponderEliminar
  6. Deixa-me acabar de rir, Fê..:))

    quero felicitar-te pela homenagem que estás a prestar a Isabel Silvestre, divulgando as suas histórias que preservam a nossa cultura popular.

    Era uma linda mulher - e ainda é - apesar da passagem do tempo. Adorava ouvi-la cantar no Rancho de Santa Marta de Portuzelo.

    Uma delícia redobrada pela pronúncia que tanto nos encanta. Obrigada, por estes belos momentos, apesar de já estar a dever umas horitas à cama. Há dias que deveriam ter pelo menos 30 horas!!

    Beijinhos com carinho!

    ResponderEliminar
  7. Deixa-me acabar de rir, Fê..:))

    quero felicitar-te pela homenagem que estás a prestar a Isabel Silvestre, divulgando as suas histórias que preservam a nossa cultura popular.

    Era uma linda mulher - e ainda é - apesar da passagem do tempo. Adorava ouvi-la cantar no Rancho de Santa Marta de Portuzelo.

    Uma delícia redobrada pela pronúncia que tanto nos encanta. Obrigada, por estes belos momentos, apesar de já estar a dever umas horitas à cama. Há dias que deveriam ter pelo menos 30 horas!!

    Beijinhos com carinho!

    ResponderEliminar
  8. estou farto de dizer que este Mundo é muito mais dos espertos do que dos inteligentes.
    Olhe aqui a prova!! :))
    Beijinhos, votos de bfds

    ResponderEliminar
  9. Esta Isabel Silvestre é um expoente na nossa cultura popular !
    Adoro ouvi-la sempre que a "apanho" na TV ! ... Um exemplo de que "Cultura erudita", só por si, isoladamente, não é Cultura !
    Cultura é este conhecimento das coisas simples do povo ! É um conhecimento da generalidade das coisas banais e quantas vezes desprezadas e desvalorizadas pelos que se julgam cultos eruditos, apenas por lerem os "clássicos" ou ouvirem apenas as "sinfónicas" !
    Gostei muito, Fê !!! ... é maravilhoso ouvi-la ou lê-la !

    Beijinhos !

    ResponderEliminar
  10. Simplesmente demais querida amiga ,adoro a Isabel Silvestre ,aprendi a gostar desde que a ouvi cantar na radio Sim a cançao Miraculosa Rainha dos Céus,porque os meus pais gostam muito desta radio ,e a partir dai pesquisei no google e no youtube e de facto uma mulher nobre ,muitos beijinhos coraçao

    ResponderEliminar
  11. Amiga ouvi contar esta história há muitos anos por uma velhinha, era eu pequenina e adorava sentar-me ao lado dela e ouvi-la. Fizeste-me voltar atrás uns a os largos. Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Bom dia Fê.
    Que legal essa historia, gostei muito de ler. Amiga tentei comentar no seu outro blog, mas não conseguir, mas que bom que nesse eu conseguir. Um lindo domingo.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  13. Gostei muito desta história, pareceu-me relembrá-la, talvez me tenha sido contada pela minha avó.
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar



Obrigada por estarem desse lado!
Fê Blue Bird