quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Humor às Quintas ! :)


Ser escravo do preconceito pode custar caro. Várias anedotas que o comprovam são contadas neste livro, por um erudito do século XVIII, Pierre-Thomas-Nicolas Hurtaut, para quem peidar era uma arte e um peido bem soltado, uma arma social.
Publicada em 1751, " A ARTE DE DAR PEIDOS" tornou-se rapidamente um clássico da literatura cómica e pseudo-médica. Com uma precisão nada convincente para a medicina, mas muito divertida para os espíritos tortos, seu autor relata a grande diversidade de peidos, que classifica segundo sua musicalidade, e descreve os diferentes meios para prolongar, modular e também abafar suas sonoridades.
Pois, leitor, no fim das contas, não é uma vergonha que, apesar de peidar desde sempre, você ainda não saiba como o faz, nem como o deve fazer?


*
Deste livro retirei estas duas histórias:

História de um peido que fez fugir o Diabo, pondo-o a fazer papel de parvo.
 
Um homem, que o Diabo atormentava há já algum tempo, não conseguindo resistir às insistências desse espírito maligno, cedeu-lhe mas com três condições:
1.º Pediu-lhe uma grande quantidade de ouro e prata, e o Diabo trouxe-lhe tudo o que pediu.
2.º Exigiu ser tornado invisível, e o Diabo ensinou-lhe como fazê-lo.
Finalmente, não sabendo o que lhe exigir como terceira condição e querendo colocar o Diabo numa situação que ele não conseguisse resolver, e não estando a sua esperteza a ajudá-lo, viu-se assaltado por um medo excessivo, e foi esse medo que, por acaso, lhe forneceu a solução.
Conta-se que, nesse momento crítico, lhe saiu um peido ditongo, cujo estampido parecia o de um tiro de morteiro. Aproveitando ajuizadamente a ocasião, disse ao Diabo: «Enfia, se conseguires, este peido no buraco de uma agulha, e serei teu». Evidentemente, o Diabo não conseguiu fazê-lo, apesar de o tentar, enfiando o peido de um lado e puxando do outro lado com toda a força dos seus dentes. Para mais, assustado com o estrondo de tal peido, que o eco avolumara, confundido e envergonhado por ter feito figura de parvo, fugiu a toda a pressa e libertou assim o desgraçado do perigo iminente que correra.*
* Na versão portuguesa desta história, o homem pede ao Diabo: «Agora, pinta-o de verde». (NT)
 *
Problema:
Permitam-me, antes de concluir, que coloque aqui uma questão.
Perguntam-me, em nome dos músicos, quantos tipos de peidos existem no que se refere diferenças de som.
Resposta:
 Sessenta e dois. Já que, segundo Cardan, o traseiro produz e forma quatro modos simples de peidos. A saber, o agudo, O grave, reflectido e o livre. Estes modos decompõem-se em cinquenta e oito. Se acrescentarmos os quatro primeiros, obteremos sessenta e dois sons ou espécies diferentes de peidos.
Quem quiser que os conte.

Pierre-Thomas-Nicolas Hurtaut, 1751



9 comentários:

  1. Tchiiii, ...Fê ! :)) ... Eu ia entrar, mas o cheiro era tão mau, que tive que fechar a porta de imediato ! rsrsrs
    Tenho amigos que fazem "campeonatos" e outros, sinfonias ! :)))))
    .

    ResponderEliminar
  2. rs..Que tema mal cheiroooso,rs...Divertido ler! bjs praianos,chica

    ResponderEliminar
  3. Eheheheh...Ó Amiga Fê, a clientela fugiu toda?? Vinham a contar com a Isabel Silvestre e saiu-lhes esta sinfonia! :))

    Para tudo é preciso ter arte engenho, já estou a ver! :))

    Não é do meu tempo porque não me lembro do médico, mas a minha Mãe quando começou a ficar
    mais velhota e se 'descuidava', eu repreendi-a.
    Invariavelmente, obtinha a mesma resposta, ou seja, a estória de que havia um médico lá em Serpa que ia pela rua e, se lhe desse a vontade soltava os gases em tom grave ou agudo e, quiçá, o livre, já que reflectido é que não devia ser, segundo essa teoria de Cardan.

    Resumindo, se alguém o admoestasse , ele respondia: "Quem guarda o dinheiro que guarde o vento".

    Era uma espécie de João Semana, que fazia da medicina um sacerdócio, logo, não guardava nada.:))

    Nunca soube a veracidade deste facto, mas foi uma estória que ficou para a posteridade, contada pela minha progenitora e até os meus filhos a conhecem.

    Quanto à maneira de afugentar o Diabo, eu gosto mais da versão portuguesa! :))

    Beijinhos amiga Fê.

    (Gostei deste Ensaio Teórico-Físico!!! )

    ResponderEliminar
  4. eheheh, não são os peidos quaisqueres, são musicais :)
    Que sinfonia, cheirosa rsss
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Antes de mais quero que saibas quie estou de mascara :))))
    O que eu me ri com este afugentar o Diabo! Não conheci, está fabulástico.
    Fez-me recordar quando a minha filhota mais velha tinha uns 7 anitos, estávamos no sofá e ela soltou um, na TV estava o Mário Soares, ela virou-se muito séria para nós e diz: "mamã papá o Mário Soares também se ca.."

    Beijinho e um :)

    ResponderEliminar
  6. É muito traque, caramba!!
    62 tipos???
    Há muitas orquestras com muito menos membros!! :)))
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
  7. Oh meu Deus tanta flatulencia kkkkkkkkkkkk
    Beijinhos querida amiga :)

    ResponderEliminar



Obrigada por estarem desse lado!
Fê Blue Bird