segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Música às segundas-feiras.

MESTRE ALENTEJANO

Pedro Charneca


Terra de grandes barrigas,
Onde há tanta gente gorda,
Às sopas chamam açorda
E à açorda chamam-lhe migas;
Às razões chamam cantigas,
Milhaduras são gorjetas,
Maleitas dizem maletas,
Em vez de encostas, chapadas,
Em vez de açoites, nalgadas
E as bolotas são boletas.

Terra mole é atasquêro,
Ir embora é abalári,
Deitar fora é aventári,
Fita de couro é apero;
Vaso com planta é cravêro,
Carpinteiro é abegão,
A choupana é cabanão
E às hortas chamam hortejos
Os cestos são cabanejos
E ao trigo chama-se pão.

No resto de Portugáli
Ninguém diz palavras tais;
As terras baixas são vais
Monte de feno é frascáli
Vestir bem parece máli
À aveia chamam cevada
Ao bofetão orelhada
Alcofa grande é gorpelha
Égua lazã é vermelha
Poldra “isabel” é melada.

Quando um tipo está doente
Logo dizem que está morto.
A todo o vau chamam porto
Chamam gajo a toda a gente
Vestir safões é corrente
Por acaso é por adrego,
Ao saco chamam talego
E, até nas classes mais ricas
Ser janota é ser maricas
Ser beirão é ser galego.

Os porcos medem-se às varas,
O peixe vende-se aos quilos
E a gente pasma de ouvi-los
Usar maneiras tão raras;
Chamam relvas às searas
Às vezes, não sei porquê
E tratam por vomecê
Pessoas a quem venero;
“não quero” dizem “na quero”
“eu não sei” dizem “ê nã sê”!

de António Pinto Basto, Rosa Branca
Letra: J. De Vasconcelos e Sá (o avô de António Pinto Basto, segundo José Gonçalez).
Música: fado corrido.


Painel de azulejos em Arraiolos

BOA SEMANA!
Fê blue bird


13 comentários:

  1. Música e letra lindas e adoro os painéis com azulejos daí! bjs, chica

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito do seu comentario no meu blog ,tem razao nem sempre podemos controlar o que nos rodeia ,belo momento pois agora tambem tenho um alentejano na familia (cunhado ) ,kkkkk,uma feliz semana ,muitos beijinhos no coraçao ,

    ResponderEliminar
  3. Ó Fê ! :))) ... Estou maravilhado com esta "recolha" de termos alentejanos e com a letra de J. De Vasconcelos e Sá !
    Muito, muito bom e eu não conhecia, nem o fado, nem estes termos ! rsrsrs
    Obrigado !

    ResponderEliminar
  4. Tenho este disco em vinil. Na altura era fã do António Pinto Basto. Hoje, continuo a gostar de o ouvir, mas há outros fadistas que prefiro.

    Boa semana, Fê:)

    ResponderEliminar
  5. Uma linda homenagem ao Alentejo.
    Aquele pão e aquela azeitona não têm igual!!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Os alentejanos merecem este seu maravilhoso post.
    Não sou alentejana, mas tenho na família e nas m/amizades alentejanos
    e são pessoas fantásticas.
    Desejo que a amiga se encontre bem.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  7. Boa semana, com boa música, Fê.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. Um poema que é um verdadeiro dicionário de alentejano.
    Não conhecia, obrigado pela partilha.
    Bom resto de semana, querida amiga Fé.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. Interessante esta marca que faz um povo, com toda sua tradição e linguajar.
    No Brasil temos muito disso e creio ser herança portuguesa aliada a africana.
    Muito bela e interessante.
    Um abração amiga.

    ResponderEliminar
  10. A minha Mãe é alentejana, o meu Pai nasceu em Cascais mas foi para lá pequeno (por isso é como se fosse), e eu ainda tenho família em várias partes dessa região...

    beijo.

    ResponderEliminar
  11. Pensar no Alentejo provoca--me calma. Beijinhos

    ResponderEliminar



Obrigada por estarem desse lado!
Fê Blue Bird