quarta-feira, 17 de junho de 2015

Dentro do silêncio

©2009 Sandra Bierman,

Silêncio e tanta gente - Maria Guinot


Entro
dentro do silêncio
como uma campânula
como um ovo
como um refúgio
com os braços fechados em torno de mim

Entro
dentro do silêncio
dentro de mim

Este silêncio não é ausência
do que vem do exterior
pois se ouço:
As ondas baterem levemente no cais
o ancinho varrendo folhas amarelas de outono
o comboio rolando nos carris
o pousar de gaivota na amurada
o esvoaçar das penas de um pássaro azul
as vozes de homens que passam
o breve assobio de ave despercebida

Entro
dentro do silêncio
dentro de mim
Este é o silêncio do mundo
do mundo onde já só falo
com o eco deste silêncio

.
(reeditado)

15 comentários:

  1. Profundo silêncio.Lindo poema! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  2. Todos temos necessidade de momentos de silêncio.
    Essencial ao nosso equilíbrio.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Na beleza de suas palavras, um silêncio que me pareceu doído. Quando nele penetramos, o mundo não ultrapassa as fronteiras de nossa alma. Com ele buscamos, realmente, um refúgio, até que nos libertemos, mais uma vez, para a vida. Bjs.

    ResponderEliminar
  4. É no mais profundo silêncio do nosso ser que encontramos as palavras que fazem de nós o que somos. O poema é maravilhoso!
    Um beijinho, Fê

    ResponderEliminar
  5. Lindo e belo poema e estou completamente de acordo com o comentário da Miss Smile.
    Gosto da fotografia que está no cimo do blogue, é fantástica e muito bela.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  6. Lindo e profundo! Adorei

    beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Bom dia Amiga.
    Que lindo poema, bem profundo. O silencio é necessário para acalentamos a nossa alma. Um feliz dia. Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Silêncio, campânula... a verdade, Fê, é que o silêncio é indispensável ao nosso equilíbrio...

    Beijo amigo

    ResponderEliminar
  9. Mais palavras para quê, se tu já disseste tudo, Fê?

    A canção da autoria e na voz de Maria Guinot foi, para mim, a mais bela canção portuguesa que esteve presente no Festival da Eurovisão, até hoje.
    O que escreveste já não é uma tentativa poética...é uma demonstração da tua grande sensibilidade e sentir poético.

    Um silêncio que ecoa dentro de nós....que todos necessitamos para nos reencontrarmos!

    Beijinhos, amiga!

    ResponderEliminar
  10. Oi Fê,viajei em seu poema em silêncio absoluto.
    Lindo demais!
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  11. Lindo, Fê!
    Silêncio total... mas só interior...

    No seu perfil do Google, entrei num blog do gatinho Gatuzo e achei tão fofo ele no trator... rsrs. Lá não dava pra deixar comentário, mas adorei a postagem que compartilhou.

    Abração e linda tarde.

    ResponderEliminar
  12. É no silencio interior que me encontro e me resolvo, mas seu poema é tão lindo e emocionante que li e reli não em silêncio, pois quis que meu marido, que também gosta de poemas, ouvir. Ambos amamos, lindo, lindo, lindo.
    beijinhos,
    Léah

    ResponderEliminar
  13. Oi Fê
    É no silêncio que conseguimos nos encontrar e resolver o que no momento traz desassossego ao coração. Belíssimo e emocionante poema minha querida
    Beijinhos e um doce sorriso

    ResponderEliminar
  14. Um silêncio que eu próprio tantas vezes procuro ,nesta imensidão de tantos porquês sem respostas ,um momento muito belo querida amiga ,muitos beijinhos no coração.

    ResponderEliminar
  15. Um silencio, emocional e transparente. beijinhos

    ResponderEliminar



Obrigada por estarem desse lado!
Fê Blue Bird