segunda-feira, 8 de junho de 2015

" Happy Town "

Robin Carter - Illustrator

Imaginem um cidade em que todos são felizes e nada falta, seja saúde, dinheiro ou comida, assim é a cidade de Omelas
Mas, Omelas tem um segredo terrível, um segredo que é a razão desta sua (aparente) felicidade. 
Existe um criança presa na cave de um dos edifícios da cidade a quem é negado qualquer gesto de bondade, pois o mais ínfimo acto de compaixão significaria o fim do tratado que garante à cidade a sua condição.
Nunca foi especificada a proveniência da criança, ou com quem o tratado foi feito, mas também não interessa, apenas saber que ele existe já é suficiente.
Todos os cidadãos de Omelas descobrem esta realidade quando têm a idade "certa" para a compreender, normalmente entre os oito e os doze anos.
Inicialmente ficam chocados e revoltados, mas acabam por concluir e aceitar que se a criança fosse libertada e levada à luz do Sol, toda a prosperidade, beleza e deleite da cidade seria destruída.
Entretanto, alguns homens e mulheres, jovens e velhos saem de Omelas e ninguém sabe para onde vão.
O conto termina com a frase:
"Eles vão em frente. Eles deixam Omelas. Eles andam adiante na escuridão, e eles não voltam. O lugar para onde vão é um lugar ainda menos imaginável para nós que a cidade da felicidade. Eu realmente não posso descrevê-lo. É possível que não exista. Mas eles parecem saber para onde estão indo, aqueles que se afastam de Omelas."
resumo meu inspirado no conto de Ursula K.Le Guin

O autor português de ficção científica e fantástico Luís Filipe Silva  comentou os limites da solidariedade humana: “a capacidade humana para a empatia pelo sofrimento dos outros só chega a determinado ponto; a partir daí os velhos mecanismos de sobrevivência passam a funcionar e o pensamento normal é antes ele do que eu“.


E tu, qual seria a tua escolha?
 Estarias disposto a sacrificar a vida de uma criança em troca
 da felicidade de toda uma comunidade ?

 *

BOA SEMANA!

Beijinhos

24 comentários:

  1. Não, nem creio que possa haver felicidade assim.
    (fez-me lembrar o filme que passou no cinema há pouco tempo Snowpiercer - Expresso do Amanhã, sacrificavam crianças para manter o comboio em andamento mas há alguém que se revolta mesmo confrontado, mais do que com a infelicidade, com a morte)

    ResponderEliminar
  2. Não, nem creio que possa haver felicidade assim.
    (fez-me lembrar o filme que passou no cinema há pouco tempo Snowpiercer - Expresso do Amanhã, sacrificavam crianças para manter o comboio em andamento mas há alguém que se revolta mesmo confrontado, mais do que com a infelicidade, com a morte)

    ResponderEliminar
  3. Boa tarde Amiga.
    De forma alguma podemos ser feliz com a infelicidade dos outros, sendo uma criança então está totalmente fora de questão. Não sei se sacrificaria a vida dos outros, mas com certeza a minha vida eu entregaria pela liberdade dele[a] Uma feliz noite. Beijos.

    ResponderEliminar
  4. Oi Fê,sabe que existem pessoas assim,antes ele do que eu,mas eu acredito que seja a minoria,pois quando se fala de criança,jamais sacrificaríamos em troca da felicidade.
    Bjs,obrigada pela visita e uma ótima semana.
    Carmen Lúcia

    ResponderEliminar
  5. Querida Fê, o bem estar pessoal costuma estar à frente de tudo. E muitos preferem nada ver, nada ouvir, para não prejudicar a sua sensação de prazer. O "antes ele do que eu" é de uma tristeza imensa. Bjs.

    ResponderEliminar
  6. Vivo numa Omelas assim
    (Qualquer resposta por mim dada é suspeita)
    Esta, começou como essa...
    hoje são incontáveis as crianças sacrificadas
    e esta Omelas
    não aceita, sequer, falar delas

    ResponderEliminar
  7. Regresso, minha querida
    para te dizer
    que puseste o dedo na ferida

    ResponderEliminar
  8. Num mundo onde a imensidão dos porquês assolam os nossos pensamentos ,nos questionamos tantas vezes sem conseguirmos obter respostas ,a vida é assim mesmo um interminável labirinto ,muitos beijinhos .

    ResponderEliminar
  9. Pergunte as pedófilos que andam pela blogesfera, qual é a opinião deles.
    Talvez consiga uma resposta isenta, quando eles escrevem poemas sobre aves e flores e as aves e as flores são metáforas de crianças em sofrimento!
    E o mais interessante é serem os blogs mais visitados e os mais conceituados, com palavras de benfazeja...
    Enfim... é o que temos... quando gente estúpida e burra não entende o que está por trás de muita poesia publicada na blogesfera.
    Não menciono os blogs, para não deixar os seus seguidores decepcionados...
    A minha resposta é que nenhuma CRIANÇA merece qualquer tipo de sacrifício.
    Quando chegarem à idade adulta, vão ter tempo de carregar as dores de uma comunidade e quem sabe da humanidade.
    Um anónimo em defesa da felicidade das CRIANÇAS!

    ResponderEliminar
  10. Olá, querida Fê.
    E essa! Tive que ler segunda vez. Às vezes, não sei se é de mim, se é das circunstâncias, isto acontece: fico um pouco "emburrecida" - sacrificar um em prol de todos os demais. essa escolha lembra-me as guerras, onde também se diz que o massacre de vidas é um mal necessário... para repor a paz...
    Escolhas bizarras.
    Gostaria de colocar a questão ao contrário: que direito temos todos os outros, de sacrificar um?
    Aquela velha máxima:"o meu direito termina quando começa o do outro".

    Enquanto houver um, que seja! a sofrer a meu lado, não pode haver felicidade.
    Essa é a dor dos que questionam.

    bjn amg

    ResponderEliminar
  11. Prima Fê

    Nenhuma criança , merece estar presa, isso não é conceito de felicidade. Ninguém pode ficar feliz, com a infelicidade dos outros...
    beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Não acredito que se possa ser feliz sacrificando alguém e neste uma criança
    Como pode alguém sequer imaginar que a sua felicidade está condicionada à infelicidade e dor do outro
    Não há felicidade alguma nesta cidade e sim desamor e desrespeito pelo próximo
    Beijos minha amiga e um sorriso

    ResponderEliminar
  13. Sabes amiga para mim não é fácil pensar em qualquer tipo de bem estar à custa do sofrimento dos outros, muito menos de uma criança.

    Beijinho querida tem uma boa semana.

    ResponderEliminar
  14. Onde é que posso assinar o comentário da Adélia???
    Inteirinho!!!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  15. Um belo texto o sofrimento mascarado de utopia.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  16. Há sofrimentos que velem a pena. Adorei

    Beijos- visite-nos aqui:http://quadrasepensamentos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  17. Nada vale uma vida...e não há cidades felizes. Os filósofos ainda as procuram...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  18. Ser feliz através da infelicidade do outro, não é legal...

    Beijos meus amiga Fê!

    ResponderEliminar
  19. Olá querida Fê:
    Não consigo imaginar a felicidade em tempo integral e total, pois como pintora sei que para darmos valor à luz, a luminosidade de um quadro tem que haver sombra, assim é tudo na vida, dois lados para tudo.
    Assim sendo, a dor na consciência seria o lado da sombra deste povo de Omelas.
    O sofrimento da criança seria inútil.

    ResponderEliminar
  20. Bela metáfora, amiga Fê!! Gostei apenas. Não vou tomar defender lados...
    Obrigada por no-la dar a conhecer.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  21. O egoísmo da raça humana. Perante uma realidade como esta quem sacrificaria o bem estar das suas próprias crianças, libertando a criança em questão do seu cativeiro?

    ResponderEliminar
  22. O egoísmo da raça humana. Perante uma realidade como esta quem sacrificaria o bem estar das suas próprias crianças, libertando a criança em questão do seu cativeiro?

    ResponderEliminar



Obrigada por estarem desse lado!
Fê Blue Bird