segunda-feira, 1 de junho de 2015

« Pequenina »

*

quando eu morrer
vou renascer
mas não quero crescer
e ficar mulher
quero ser pequenina
andar sobre as nuvens
voar num balão
ser fada madrinha
um pássaro ou mesmo um cão
se for para ficar grande
não quero renascer
quero que tudo acabe
no dia em que morrer


*




26 comentários:

  1. Fê,adorei tua poesia e a da Florbela! Linda menininha na imagem! Linda homenagem e feliz dia pra todas as crianças grandes e pequenas! bjs, chica

    ResponderEliminar
  2. Muito bonito e especial para assinalar o dia.
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
  3. Poesia de Florbela Espanca,sempre nos encanta e a sua
    está divinamente escrita.
    Bjs Fê e uma ótima semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  4. Adoro a Florbela e adorei o seu poema, amiga Fê.
    Beijinho, mas não pequenino, bem GRANDE!

    ResponderEliminar
  5. Memorável projeto poético que pincela desejos tão cativantes despertando nos leitores(as) um delicado contágio:" quero ser pequenina..."
    A rogativa eloquente de Florbela fecha com sensibilidade essa linda página.
    Bjs,
    Calu

    ResponderEliminar

  6. Porquê renascer
    se já és
    o que querias ser?

    pequenina
    andas sobre as nuvens
    voas num balão
    és fada madrinha
    um pássaro azul
    só não és um cão

    (Não me espanta
    esse apego
    à Florbela Espanca)

    ResponderEliminar
  7. Eu preferia ter-me mantido criança pelo tempo fora.
    Boa semana, amiga, beijinho.

    ResponderEliminar
  8. pedradoriacho@hotmail.com ( não recebi nada, deixo-te aqui de novo, se por acaso alguma coisa falhou ....
    Gostei da tua poesia e da de Florbela Espanca! .... Renascer com outra sabedoria, outro corpo, outro nome... ser gigante e muito saber.... de todas as coisas ...saber .... e voltar a aprender .... a cair e a renascer ! ( ando aqui a brincar) :)

    ResponderEliminar
  9. Muito bonito o seu poema, Fê, e a imagem!
    A Florbela Espanca... gosto sempre!

    Um beijinho:)

    ResponderEliminar
  10. Belos versos, Fê, na construção e no sentido. Perdemos a criança quando amadurecemos, lamentavelmente. O poema de Florbela, de quem sou fã, é encantador. Bjs.

    ResponderEliminar
  11. Maravilhosa querida amiga ,que um dia todas as crianças deste mundo possam simplesmente sonhar ,uma linda e feliz semana querida amiga ,muitos beijinhos no coração.

    ResponderEliminar
  12. Renascer com conhecimentos...ajudava!
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  13. Pois.. tão bonito, Amei simplesmente!!

    Beijos-visite-http://quadrasepensamentos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  14. Era bom que renascêssemos com a mesma sabedoria.
    Amei

    Beijinhos e otima semana

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  15. Fêzinhamiga

    Adoro a nossa Florbela Espanca; agora passo a adorar-te também. O teu texto é Poesia, daquela que gostaria de saber escrever. Se fôssemos sempre (e para sempre) crianças o Mundo seria muito melhor. Mas o tempo, as ampulhetas ou os calendários são implacáveis

    Bjs da Kel e qjs do Pernoca Marota

    ResponderEliminar
  16. Quem dera fosse possível ser pequenina e cheia de sabedoria.
    O mundo seria um alegre arco íris
    Um beijinho amiga Fê

    ResponderEliminar
  17. Belíssimo!
    Crescer poderá ser sofrer, mas para sofrer não é preciso crescer.

    Beijinho Fê tem uma boa semana.

    ResponderEliminar
  18. Grande é a poesia, a bondade e as danças.
    Mas o melhor do Mundo são as crianças.
    Concordo inteiramente com o autor.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Lindo e um belo trabalho de homenagem ao dia da criança.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  20. Por isso é que é tão importante continuar a cuidar da nossa criança interior :)
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  21. Lindos, o teu poema e o da Florbela Espanca. Mas confesso que gostei mais do teu, minha linda, pelo ritmo proposto, pela delicadeza, pela simplicidade e beleza. Gosto da tua forma de poetar! E seria mesmo tão bom se pudéssemos conservar a pureza da criança dentro de nós, ter a sua genuína alegria, sorrir de forma aberta, e ver o mundo com os olhos maravilhados de quem vê tudo pela primeira vez, como se uma mágica se fizesse em tudo que olhássemos com amor... Teu poema, meu anjo, nos diz tudo isto!
    Gosto do template do teu blog, tudo claro, visual limpo, dá-nos uma sensação de paz...
    Passei um aperto dias atrás, mas felizmente tudo foi um susto apenas, graças a Deus! Agora estou bem!
    Fica com um punhado de sorrisos e milhares de estrelas para enfeitar os teus caminhos, e também meu carinho,
    Helena

    ResponderEliminar
  22. Concordo plenamente!
    Quanta saudade tenho do tempo em que era apenas uma criança sem nenhuma preocupação...
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderEliminar
  23. E... apesar de tudo, não tenho saudades de quando fui pequenina...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  24. Amiga Fê.

    Gostei deste e gosto de quase todos os sonetos da Florbela Espanca, mas o teu pequeno poema tocou-me muito fundo!

    Como neste mundo já não é possível, quando eu morrer gostaria muito de voltar a ser pequenina, lá na outra vida, seja ela qual for!
    Ter-te como fada-madrinha seria algo muito bom!
    Adorei! Mesmo sem saber se deixas vou levar o teu poeminha comigo. Identifico-me imenso com ele.

    Um grande beijinho!

    ResponderEliminar
  25. Boa noite, a poesia de Florbela Espanca encanta, foi uma feliz ideia partilhar a mesma.
    AG

    ResponderEliminar
  26. Prima Fê
    Tentativas poéticas , conseguidas...
    É tão bom ser pequenino e inocente. que se renascer também quero ficar criança... beijinhos

    ResponderEliminar



Obrigada por estarem desse lado!
Fê Blue Bird