segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Esta Gente...

Esta gente cujo rosto
Às vezes luminoso
E outras vezes tosco

Ora me lembra escravos
Ora me lembra reis

Faz renascer meu gosto
De luta e de combate
Contra o abutre e a cobra
O porco e o milhafre

Pois a gente que tem
O rosto desenhado
Por paciência e fome
É a gente em quem
Um país ocupado
Escreve o seu nome

E em frente desta gente
Ignorada e pisada
Como a pedra do chão
E mais do que a pedra
Humilhada e calcada

Meu canto se renova
E recomeço a busca
De um país liberto
De uma vida limpa
E de um tempo justo

Sophia de Mello Breyner Andresen, in "Geografia"



Tereza Tarouca -  Poema de Sophia de Mello Breyner Andresen
Música de Lima Brummon

21 comentários:

  1. E Cavaco apressa-se a vetar o que pode... Enfim!

    Beijos, Fê. :)

    ResponderEliminar
  2. Muito lindo o poema, muito triste e dolorosa situação! Beijos Fê,beijos!

    ResponderEliminar
  3. Lindo poema. Triste constatação.
    Boa semana, amiga.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Não pode vir mais a propósito o lúcido poema da Sophia. Obrigada amiga.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Uns votam...
    Outros vetam...
    Triste despedida a do presidente ainda em funções... enfim... deixemo-lo terminar com a dignidade... possível... após a recusa da promulgação dos diplomas de que se tem falado, por estes dias...
    Efectivamente... com as taxas de abstenção verificadas... temos mesmo o que merecemos... incontestavelmente...
    Um post bem actual e pertinente, Fê!
    Beijinhos! Boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  6. Olá boa tarde e desculpas por não ter andado por aqui derivado a problemas de saúde.O poema bem real da sociedade em que vivemos,onde alguns vão de carreira,tenho pena pelos meus filhos e netos de o dia de amanhã.
    Abraço de amizade.

    ResponderEliminar
  7. Fernandinhamiga

    A Grande Sophia disse tudo e ponto.

    Este Agente, oops, esta gente (nossa) limitou-se a acompanhar o ditado pois o "candidato" foi como a pescada que antes de o ser já o era... E fomos para a cama (a Raquel e eu) pelas quatro e meia da matina (hora de Goa) completamente apardalados... Entretanto aqui fica um

    AVISO

    MAIS UMA VEZ ACONTECEU-ME UMA PORRA: O MEU IMEILE DA SAPO PIFOU!!!!!!!!!

    MAS O BLOGUE http://atravessadoferreira.blogs.sapo.pt FICOU, POR ISSO PODES POSTAR COMENTÁRIOS NELE. MAS ESTOU SEM POSSIBILIDADES DE ENVIAR TEXTOS!!! ESTOU QUASE A FICAR DESANIMADO...

    MAS VOU TENTAR ABRIR UM NOVO IMEILE NUMA PLATAFORMA INDIANA. DEPOIS ENVIAREI O SEU ENDEREÇO - SE O CONSEGUIR FAZER...


    Bjs da Raquel e qjs do Leãozão

    ResponderEliminar
  8. Palavras para que se este lindo poema diz tudo ,assim vai este pais ,muitos beijinhos querida amiga

    ResponderEliminar
  9. Amiga Fê.
    O poema é muito intenso, como tudo o que a nossa Sophia escrevia, sentiu e viveu.
    Não sei em que ano a poetisa escreveu este poema, mas a gente ignorada e pisada enquadra-se mais com o povo pré-revolução e não pós.
    Será que somos assim um povo tão ignorante e mal preparado, que depois de libertados do jugo fascista, ainda sermos pisados, humilhados e calcados?
    Amordaçados, já não estamos. Por vezes penso que nos subestimamos, e isso é que é frustante!

    Na tua imagem e legenda, deixa que te lembre Amiga, tu eu e 49% da população eleitoral, também engrossámos essa, ou outra fila. Esta 'Gente' tem o Presidente que escolheu. Se o merece? Quem sou eu para fazer juízos de valor?

    Se queres saber a minha opinião sincera, acho que o nosso pior defeito é sermos um povo que se habituou ao lamento, à queixa e já não sabe viver sem isso. :(

    Vamos em frente!! Que diabo! Vivemos e sobrevivemos ao obscurantismo de uma ditadura, não saberemos viver em Democracia?

    Desculpa, Fê! Já não aguento mais do mesmo! Lamento!

    Beijinhos e boa semana, Amiga.

    ResponderEliminar
  10. Sophia era além de uma grande poetisa, uma mulher com uma grande visão sobre o país e os seus habitantes.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  11. Excelente :-)

    Beijos de boa noite.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Gostei do poema, não conhecia.
    um beijinho e uma boa semana

    ResponderEliminar
  13. Não sei se é o que merece.
    É o que escolheu, sem sombra de dúvidas.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Fernandinhamiga

    Já tá!!!!!!

    INFORMAÇÃO

    ALELUIA! GLORIA IN EXCELSIS DEO!!!!

    JÁ TENHO UM NOVO IMEILE DESTA FEITA INDIANÍSSIMO PARA O QUAL PODEM ENVIAR O QUE QUISEREM. É O

    henrique20091941@rediffmail.com

    AGORA POR FAVOR REENVIA-ME O TEU IMEILE POIS PERDI-OS TODOS. Muitíssimo obrigadérrimo


    Bjs da Raquel e qjs do Leãozão



    ResponderEliminar
  15. O poema é forte, mas francamente já me é um pouco indiferente o destino de de quem não luta para mudar o status quo!!

    Beijinhos, amiga

    ResponderEliminar
  16. Há certos poemas que não se perdem no tempo e que podem passear pelo universo com o mesmo significado. Belíssima escolha, Fê! Bjs.

    ResponderEliminar
  17. Amiga Fê,
    Só para te dizer: uma vez que removeste a legenda sob a imagem, muito do que eu escrevi deixa de fazer sentido. Ainda bem!!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Janita, o teu comentário, aliás como todos que levo muito a sério, fez-me reavaliar a legenda que tinha colocado na foto, achei que tinhas razão e que ela era inadequada, por isso a retirei.
      Continuo a achar o poema actual, pois ainda existe infelizmente muita gente ignorada e pisada que continua a ser paciente.
      Um beijinho sempre grato pelas tuas palavras e observações lúcidas.

      Eliminar
  18. "esta gente" prefere ficar no quentinho e ficar de fora das escolhas, mais uma vez ganhou a abstenção.
    beijinhos

    ResponderEliminar



Obrigada por estarem desse lado!
Fê Blue Bird