sexta-feira, 8 de julho de 2016

DESTINO (A VÁRIAS MÃOS)

tecendo o próprio destino


O meu obrigada a TODOS que aceitaram este meu desafio.  Melhor do que as minhas palavras, o comentário da  Mariazita diz tudo. Bem-hajam!   .
" ...de realçar que a maioria, se não a totalidade, aposta na recuperação da jovem, o que significa, na minha óptica, forçosamente de "deformação profissional" :))) (a psicologia) que o ser humano tem sempre fé em si mesmo, ainda que perante as maiores adversidades. Seja em que circunstâncias for há sempre a luzinha ao fundo do túnel...

Aquele corpo tão falsamente provocante que caminhava para o abismo, era o seu, e ela por mais que tentasse não conseguia aliená-lo.
Detestara-o naquela noite e em todas as outras noites em que o usava. Queria que ele não lhe pertencesse, sentia a maldição que pesava sobre si e desejava ser uma pessoa normal, que se entrega, que recebe, que aceita e nada receia.
Só via falência na sua vida. Não existia nenhuma razão no mundo que a pudesse impedir.
A quem poderia interessar que ela vivesse, que trabalhasse, que amasse. Para quê? Para quem?
A desculpa da euforia permanente produzida pelo álcool era mais razoável, pois conseguia afastar a falta do amor que não conheceu, dos beijos que não deu, dos livros que não leu e da vida que não viveu.
Mas hoje estava sóbria!
Eram precisamente seis horas e dezoito minutos quando ela decidiu o seu destino.


Foi, então, que ouviu um choro...
Depois de muito procurar avistou a caminha portátil, com a bebé abandonada.
Fez tudo para a merecer, mudou-se par uma aldeia-lar e conseguiu realizar o seu sonho.
Arrumou o passado dentro de um armário e deitou a chave fora.
Nunca mais andou sozinha, nem deprimida. 

Saiu dali, naquele exato ,momento, bem registrado na sua mente, focada no que iria fazer dali em diante.
Caminhou, voltando para quem deixara pra trás e que a deixava tão amargurada... Para diante da delegacia , faz a denúncia. Sofrera calada, esquecera de si mesma, dera-se aquele maldito homem... Agora, seria questão de tempo... A polícia o encontraria lá no endereço, ainda bêbado, malcheiroso e certamente, com a faca com a qual a perseguira...
Sua vida seria bem melhor a partir de agora. Dera-se uma chance, recomeçaria!

Antes de recomeçar pegou do chão um pedaço de vidro que ainda restava de uma garrafa quebrada da noite anterior ,reflectindo nela a sua própria imagem desgastada pelas maleitas da vida ,por momentos quebrou-se tudo ,as lágrimas escorriam ,dilaceravam o seu coração pela nova oportunidade que a vida lhe estava a dar .

-Decidiu se impor perante à vida, disse não ao álcool e a qualquer empecilho à vida plena e livre...

Assim decidida procurou o sítio propício e para lá se dirigiu.
Um homem de olhar indefinido e passo decidido, barrou-lhe o caminho. Não lhe perguntou a onde ia, fez-lhe uma pergunta inesperada."Há quanto tempo morreste?" e sem esperar resposta o homem continuou "Aposto que decidiste morrer há muito, talvez quando eras muito nova... acontece quando nos consideramos mortos, vamos morrendo, morrendo, ao longo do tempo..."
Surpreendida já não tanto por o desconhecido lhe ter interrompido o caminho mas por aquelas palavras lhe terem dado uma visão diferente ao seu percurso de vida. Interrogou-se se não teria alguma vez desistido antes de começar.
Sem pensar que o fazia, sentou-se numa pedra que por ali havia. O homem acompanhou-a e sentou-se noutra. E por ali ficaram a conversar até a noite chegar. Depois (e porque há sempre um depois) sentiu-se ressuscitar. 

Caminhou, suave mas decididamente, passo após passo, segura pelas suas certezas mas saboreando cada um deles, fechou os olhos e continuou a direito esperando a cada momento sentir que o chão acabava, sentiu a brisa que ao de leve lhe afagou os cabelos, o som que produzia no restolhar das folhas de árvores e arbustos próximos e sentiu-se, de repente, inundada de luz e calor conforme o sol descobriu das nuvens enquanto se punha à sua freno no horizonte distante.
Abriu os olhos e contemplou a luz, cor-de-laranja forte que transformava as nuvens em farripas de algodão cor-de-rosa no céu, pensou no Amor que ainda não tinha conhecido, nos beijos que não tinha dado, nos livros que lhe faltava ler, na vida que faltava viver…
…e parou, a um passo da falésia, com o abismo a abrir-se à sua frente, não mais como um convite, mas como uma demonstração de beleza!
Não há nenhum vazio que não possa ser preenchido, se soubermos com o que o preencher!
Virou as costas e caminhou com renovada certeza! Começaria pêlos livros…
…o resto a própria vida traria…

Um destino que ela mesmo procurou através da sombra dos momentos vividos pela bebida,mas ao deparar-se
com os penhascos,pensou em não atirar-se ao sono profundo,relevou e voltou ao caminho de casa para um novo recomeço de vida,quem sabe
àquele amor que não conhecia,poderia aparecer e deixá-la saborear os beijos que tanto desejou.
E assim o seu destino já estava decidido para voltar a ser feliz.

Não pensou duas vezes, subiu nos saltos e decidiu deixar tudo para trás, caminhando em direcção de um novo porvir. Casou-se com alguém que a beija com paixão e lhe traz livros e flores!
Minhas Pinturas
Resolveu rever todos os momentos que perdeu com a bebida e com a auto piedade, virou as costas para o abismo que antes a convidava como um fim mais rápido, e começou ali mesmo a traçar um plano de vida, sem a bengala do álcool e com toda a coragem para lutar.

Completamente desiludida da vida, resolve mesmo avançar para o abismo à sua frente, no alto daquela rocha, no cimo da montanha e, sem mais, avança um simples passo e deixa-se precipitar naquele vazio, à sua frente, sentindo o seu corpo sem o menor apoio no espaço, completamente abandonado !!!
Talvez que essa estranha sensação de se sentir no vazio e sem respiração, a faz acordar repentinamente desse terrível pesadelo e voltar à realidade, ainda ofegante e bafejante, com o coração a bater fortemente, a sentir-se respirar e bem suportada pelo seguro colchão da sua cama !... 

Eram precisamente seis horas e dezoito minutos... e ela foi até à beira do precipício... Olhou para baixo...
A sua vida tinha batido no fundo... e quando se está no fundo... é quando se tem a mais bela e realística percepção de tudo, o que está à nossa volta... Quando se chega ao fundo... o única caminho... é pensar em subir...
Hoje estava sóbria... E ali prometeu a si mesma... passaria o resto da vida, procurando motivos para contrariar o que o destino, lhe parecia ter reservado, quando a conduziu até ali... o destino faz-se em cada dia... desde que estejamos vivos... nada está pré-destinado...
Ela decidiu contrariar o que o destino tinha em mente para ela... e decidiu procurar outro destino... onde os seus sonhos tivessem lugar...
Virou costas ao precipício...
Há medida que saia dali... sentia-se mais leve... e mais perto do céu... estava em paz. Perdoou-se a si mesma. Sentiu-se pronta para a vida... como nunca tinha estado, até então... 

Naquele preciso momento, seis horas e dezoito minutos, quando procurava de dentro da bolsa, a chave de casa, ansiosa para se estender na cama, após um percurso solitário, de uma noite inteira vagueando sem destino, toda a sua vida lhe passou pela mente, como se estivesse a assistir a um filme.
Sentou-se num degrau das escadas, olhou para o céu. Viu um clarão de luz intensa e, maravilhada, assistiu ao primeiro nascer do Sol em toda a sua vida.
Não! Os beijos que nunca lhe deram, o amor que nunca lhe dedicaram, os livros que não leu, enfim, a vida que nunca teve…Nada, nada mesmo, se poderia comparar à dádiva de estar viva e ver nascer um novo dia…
Voltou a descer as escadas e caminhou serena e confiante pelo passeio da rua, deserto àquela hora matinal. Havia despertado dentro de si a certeza de que o mais importante na vida, não é aquilo que se recebe e sim o que nos damos a nós mesmos.
Dali em diante iria olhar-se com mais carinho, gostar mais de si…Abandonar o cigarro, o álcool, os falsos amigos…Quem sabe aquela promessa de emprego na Livraria do Shoping não se concretizaria e os livros que nunca leu, ela, finalmente os leria? Ergueu a cabeça, sorriu e trauteando aquela velha canção aprendida na sua meninice, ensaiou uns passos de dança e seguiu em direcção ao seu novo Destino

talvez um pássaro azul a salve.
ou uma lágrima de emoção.
um poema sem dono.
ou uma memória
ou a brisa a lamber o rosto.

nunca, nada está perdido
definitivamente

Decidiu que ia morrer.
Tomada a decisão, arrepiava-a poder também falhar a meio e foi por isso que decidiu atirar-se da ponte, que ficava perto. Ainda estava escuro, mas não tardaria que o sol nascesse. Um estranho silêncio antecipava a madrugada. Estacionou o carro num parque perto e começou a caminhar até ao meio da ponte.
Sentia como nunca o ar frio no rosto, como se lhe lavasse a cara e confirmasse que estava certa.
Foi então que o viu. Mesmo no local que ela tinha escolhido, um homem de costas para ela, debruçava-se sobre a protecção, ali onde o rio era mais fundo.
Ele ouviu os seus passos e despertou do seu torpor. Virou-se para ela. Era um homem de meia idade, com cicatrizes de um lado do rosto que ao invés de o desfigurarem, realçavam o azul intenso dos seus olhos e a atraíram.
Subitamente, sem saber porquê, quis salvá-lo.
Lembrou-se das muitas vezes que tinha conseguido reinventar-se, apesar de todos os revezes, nunca antes até àquela hora, tinha pensado em desistir.
Começou a falar com ele. Disse-lhe que tinha frio e passou logo depois para os todos argumentos que conseguia lembrar-se para que ele não se atirasse, Ele era muito mais forte que ela. Se o resolvesse fazer, não conseguiria impedi-lo.
Percorreu todos os lugares comuns na procura da ideia salvadora, que não conseguia encontrar. Ele só olhava para ela, sem lhe responder, sem que nada no seu rosto ou olhar lhe dissessem que estava sequer a escutá-la.
Até que ele lhe disse: “está mesmo frio. Vamos mas é tomar o pequeno-almoço”.
E foram. Os dois.
Algum tempo mais tarde, quando já começava a conhecê-lo, a entregar-se, a receber e a aceitar, soube que ele não tinha ido ali para se matar, mas que apenas gostava de olhar para o rio.

Hoje estava sóbria.
Começou um lindo trabalho em uma comunidade local.
Dava palestras e auxiliou a muitos pacientes que, assim como ela,lutavam contra a terrível doença do alcoolismo.
 
 Manu
Voltou para trás, abriu vagarosamente a porta de casa, subiu os degraus da escada que a conduziram ao quarto...abriu o roupeiro, deu uma olhadela pelas roupas há muito abandonadas e que lhe lembraram momentos de brilho em salões onde tinha sido a estrela, onde rodopiava ao som dos acordes da orquestra. Ele pegava-lhe na mão e fazia com ela deslizasse, qual pena, pelo salão , onde todos tinham os olhos postos nela.
Hoje não o tinha a ele, mas sentiu pela primeira vez de há muitos anos a esta parte, que tinha chegado a hora de recomeçar.
Sozinha? Por que não?
Sentiu que ela era o centro do seu mundo e que nada nem ninguém daí para a frente a impediria de ser feliz.
Vestiu aquele vestido vermelho que adorava, borrifou umas gotas de perfume pelo corpo, colocou a música do Chet Baker e dançou até de madrugada, caindo exausta na cama.
Mal os primeiros raios de sol raiaram, abriu os olhos e percebeu que uma nova mulher tinha nascido!

Contemplou o céu e toda a beleza com que a mãe natureza a presenteia e, chegou à conclusão que vale a pena viver simplesmente por ela, é então que ela vai perceber que tudo quanto pensava e sentia não fazia sentido.

Pegou no espelho que tinha na carteira e olhou para a imagem que ele reflectia e disse:
- Joana nunca mais vais ver este rosto deprimido porque, a partir de hoje, vai nascer outra mulher, completamente renovada. Interessa-me que sejas feliz e só isso é razão suficiente para que olhes em frente e caminhes decidida.  




a ouvir - You Raise Me Up - Instrumental with lyrics

24 comentários:

  1. Eu adorei o desafio e ficou muito bom ver as inspirações de cada uma! bjs, chica

    ResponderEliminar
  2. Um desafio superado com muitos sucessos!
    Adorei as participações e a escolha da imagem foi magnífica!
    Bj e parece que ...diariamente cada um de nós tece um pouco do nosso destino!

    ResponderEliminar
  3. Que excelente ideia, querida Fê! Achei todos os desfechos irrepreensíveis. Todos muito diferentes, mas todos muito bem escritos, focados no destino da protagonista. Adorei :)
    Parabéns a todos!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Ficou ótimo o desafio Fê!
    Uma interação dos amigos e cada um dando o retoque final para essa história comovente.
    Gostei muito de participar.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  5. Ficou ótimo o desafio Fê!
    Uma interação dos amigos e cada um dando o retoque final para essa história comovente.
    Gostei muito de participar.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  6. Foi muito interessante, querida amiga.
    Gosto muito da canção e também tinha pensado fazer um 'posr' com ela...
    Beijinhos.
    ~~~~

    ResponderEliminar
  7. Lindo e emocionante!
    Parabéns a todos.
    Um beijo amiga fê!

    ResponderEliminar
  8. Querida amiga que venha outro momento como este ,para que todos possamos participar ,muitos beijinhos no coração felicidades

    ResponderEliminar
  9. Boa noite, querida Fê!
    Continue com esse projeto, adorei participar e mais ainda ler todas participações em conjunto... que beleza interagir!
    Bjm muito fraterno

    ResponderEliminar
  10. Uma bela ideia e talentosas mãos (como se escrevesse cada um com as mãos) dando corpo, dando vida a um colóquio que nos enche de encanto.
    Como não tenho hábito de abrir o Google + hoje descobrir a tua presença. Peço-lhe desculpas pelo silêncio (tão demorado) e imerecido.
    beijo,

    ResponderEliminar
  11. Sem um r a mais na palavra descobri. Corrija-se.

    ResponderEliminar
  12. Que pena! Cheguei tarde para o desafio. Afinal, estou me recuperando de uma fase bem complicada na saúde. Mas se tiver um próximo, eu quero participar. O pessoal foi bem talentoso.

    Ótimo fim de semana.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  13. Boa noite querida amiga.
    Que belo desafio, infelismente estava ausente ,mas fica para a próxima. Li aos comentários e fiquei admirada pela bela participação de todos. Infelizmente amiga o alcoolismo é uma doença grave que destrói não so a pessoa como ate uma família toda. Tive dois irmãos que eram alcoólatra e ambos terminaram de uma forma terrível, um morreu com câncer na laringe e o outro com cirrose hepática. Só mesmo a mulheres da minha família é que bebem socialmente e em raros momentos, acho que é por isso que a minha filha tem horror a bebida, nem socialmente ela gosta de beber, eu ainda tomo raramente. Nenhum tipo de vicio traz benefícios, é uma fuga que leva é mesmo ao precipício; Um lindo fds amiga. Enorme abraço.

    ResponderEliminar
  14. Esta tua "brincadeira"
    deu pano para mangas

    e, juro, continuará a dar

    ResponderEliminar
  15. Li atentamente o seguimento de cada participante e lamento a correria ter me podado de ter vindo.
    Gosto muito destes exercícios de criação.
    Parabéns amiga pela inspiração.
    Bjs e bom domingo de paz e luz

    ResponderEliminar
  16. Um magnifico desafio de que gostei bastante de ler, um excelente trabalho minha amiga os meus sinceros parabéns.
    Um abraço e bom fim de semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
  17. Oi Fê
    Muito interessante essa história delineada por muitas mãos
    Grande talento e sensibilidade de cada um dos participantes
    Gosto desses desafios mas não pude participar
    Passei a última semana no hospital acompanhando a mim irmã de quem cuido
    Parabéns. Ficou espetacular
    Um beijo e uma linda semana

    ResponderEliminar
  18. Gostei tanto, Fê. Foi muito bela a cumplicidade de todas as pessoas que participaram. O resultado foi esta sensibilidade toda que achei extraordinária.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  19. Adorei o desafio, Fê!
    Um verdadeiro prazer para os sentidos... cada uma das suas publicações, Fê!
    Parabéns por tal talento... inspirador, motivador e desafiante...
    Beijinhos! Boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  20. Delightful fairytale photo!
    Beautiful summer atmosphere.
    Greetings Liplatus

    ResponderEliminar
  21. Afinal somos todos otimistas e acreditamos que não há problema sem solução.
    Gostei de ler esta história de muitos finais. :)

    ResponderEliminar



Obrigada por estarem desse lado!
Fê Blue Bird