quarta-feira, 14 de setembro de 2016

{ Espero por ti }

 Moody- foto tirada em Agosto de 2016 pela minha filha
A minha filha sempre teve uma fascinação por animais, principalmente felinos. Em criança todos os seus peluches eram de gatos, tigres e afins, por isso não resisti, quando ela há quase catorze anos me implorou para ficar com a Moody, uma gatinha cinzenta, abandonada na escola que frequentava.
O único problema era convencer o pai, que "não gostava" de gatos ,  mas aquela "coisinha" pequena e fofa soube cativá-lo, quando logo no primeiro dia pulou para o seu colo. 
A Moody tem sido para nós uma companheira e uma amiga, por vezes traquinas, outras vezes silenciosa, mas nunca indiferente.
É na cama da Inês que ela continua a dormir mesmo na sua ausência, e sei, que ela a espera com a mesma ansiedade e saudade que nós.
~~*~~

Ausência

 

Por muito tempo achei que a ausência é falta. 

E lastimava, ignorante, a falta. 

Hoje não a lastimo. 

Não há falta na ausência. 

A ausência é um estar em mim.

E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus
                                                                            [braços, 

que rio e danço e invento exclamações alegres, 

porque a ausência, essa ausência assimilada, 

ninguém a rouba mais de mim.


Carlos Drummond de Andrade, in 'O Corpo'

30 comentários:

  1. Muito linda a Moody que soube a todos conquistar e também está pela tua filha a esperar! Muito linda tua poesia, saída do coração! bjs, chica

    ResponderEliminar
  2. Moody é muito bela e elas são uma companhia para nós...
    beijinhos
    :)

    PS tenho muita dificuldade em comentar... :( isto anda tudo mudado

    ResponderEliminar
  3. Fernandinhamiga

    Tem piada, eu sou como o teu marido, não gosto de gatas. E, a caminho dos 75 (20 deste mês) já nem gosto de "gatas"...

    Mas, esta Moody tem que se lhe diga: enquanto espera pela Inês vai batendo a sua soneca. Ó pra ela...:-))))
    Bjs da Raquel e qjs do Leãozão

    ResponderEliminar
  4. E a Moody a palpitar muito além do mais longe...
    Beijinhos,

    ResponderEliminar
  5. Os animais são uma coisinha deliciosa: amam-nos incondicionalmente. Tive uma gatinha igual, a minha Julinha, que viveu connosco 15 anos. Quando partiu foi um enorme desgosto...

    Beijinhos e ronrons...

    ResponderEliminar
  6. Gosto de gatos pretos de pelo brilhante, como a vossa Moody, amiga Fê!
    Acredito que ela também sinta a falta da amiga de tantos anos.
    Há quem acredite que os dois melhores refúgios contra as misérias da vida, são a música e os gatos.
    Eu tendo a acreditar, também...

    Um beijinho grande Fê.

    A saudade já aperta, eu sei.

    ResponderEliminar
  7. A Moody é muito fofa!
    Com certeza ela está com saudades de sua dona.
    Bjus e tudo de bom,amiga!

    ResponderEliminar
  8. OI FÊ!
    QUE GRAÇA A "MOODY". OS ANIMAIZINHOS CONQUISTAM MESMO E ACABAMOS POR AMÁ-LOS.
    ELA DEVE ESTAR MESMO ESPERANDO POR TUA FILHA E VAI FAZER UMA FESTA PARA ELA QUANDO A VIR NOVAMENTE.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  9. Sempre achei que os gatos discordavam dos poetas
    e a Moddy não é excepção...

    e diz um cantar açoriano, numa belíssima canção:

    "A ausência tem uma filha
    Que se chama saudade
    Eu sustento mãe e filha
    Bem contra minha vontade"

    ResponderEliminar
  10. Que fofura a Moody
    Esses felinos nos conquistam com jeitinho dócil e então aprendemos a amá-los e quando deles ficamos longe o coração reclama de saudades
    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Boa noite, querida amiga Fê!
    Como me consola saber que estou em mim e não sozinha!
    Bjm muito fraterno

    ResponderEliminar
  12. Oi Fê que gostosura,fofa e boa de apertar, linda e fiel companheira, esperando sua filhota.
    O poema escolhido maravilhoso.
    Amo gatos, gatas, amo cães e cadelas. Tenho três gatas e três cadelas são parte de minha família.
    beijinhos, Léah

    ResponderEliminar
  13. O gato da minha prima, quando vivia com elas em Macau, dormia com a minha prima.
    Quando estavam fora, ia "bater" à minha porta.
    E lá se enrolava nos meus pés.
    Bjs, bfds (prolongado em Macau para se celebrar a Festa da Lua)

    ResponderEliminar
  14. Não há palavras para este amor, Fê.

    Beijinho, Fê.

    ResponderEliminar
  15. Quem poderá resistir a uma "coisinha" destas ? ... Pois ! ... Aí é que está ! :)
    Elas são tão fofinhas, tão carinhosas, que mais tarde ou mais cedo não poderemos deixar de amá-las, tal como família e aí é que está o busilis ! :( ... É que um gato terá uma vida de cerca de 15 anos, isto se não houver um "acidente" pelo caminho ! :(
    Lembro-me de ter em casa (até aos 18 anos) uma bomba de volante, de tirar água. :(((
    Aí, vi morrer vários gatos meus e isso é terrível ! Perdas que revejo na quadra do Rogério e também no poema de Drummond ! ... por isso, em determinada altura decidi não ter mais gatos na "família" !

    Um Beijo, Fê ! :)

    ResponderEliminar
  16. Bonita a Moody.Saudades, são uma dor constante. Abraço

    ResponderEliminar
  17. Uma homenagem muito bonita e tocante à tua Moody...
    Há um 'feeling' especial nos felinos; ela sabe que a 'dona' voltará.
    Drummond, brilhante...
    Gostei muito da postagem, querida amiga.
    Terno abraço.
    ~~~~~~~

    ResponderEliminar
  18. Bem articulada, esta postagem: do apego (neste caso a Moody - e como é linda) e do seu preenchimento afetivo, até à questão da ausência física e da forma como a encaramos. Era fantástico que conseguíssemos lidar com a ausência da forma como Drumond a trata neste excelente poema!
    Bjinho, Fê :)

    ResponderEliminar
  19. Os animais sentem muito a falta dos seus donos,e ficam muitas vezes tristes quando eles não estão por perto.
    Amei o poema Fê!
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  20. Que lindo! Saudades do meu que me mataram. Belo texto, adorei

    Beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  21. Fê, querida, também sinto saudades. Estou programando uma viagem, para descansar. Ainda não me sinto preparada para retornar aos meus espaços rss.
    Você colocou tudo de uma forma muito bela. A encantadora Moody, a presença, a espera, a ausência. E completou a postagem com o encanto da escrita de Carlos Drummond de Andrade.
    Desejo que esteja bem e feliz. Grande beijo!

    ResponderEliminar
  22. Adorable cat, it can not be love.
    Animal is genuine, it does not pretend.

    Have a nice weekend for you!

    ResponderEliminar
  23. Os felinos tem uma calma aparente que cativa e eu em especial pelo andar deles.
    Que belo exemplar de felino que a todos cativa. Eu a conheço desde os primeiros
    contatos em suas paginas.
    A ausência é por certo sentida Fê.
    Bom reler Drummond por aqui. Sabe que ele é meu vizinho e conterrâneo de cidade. A casa dele(reconstruída pela Vale do Rio Doce) fica perto da casa de minha mãe em Itabira.
    Carinhoso abraço amiga.
    Bom e lindo fim de semana.
    Bjs

    ResponderEliminar
  24. Os sentimentos dos animais, são do mais puro que há.
    A Moody é uma fiel amiga que espera pela Inês com a mesma saudade que a familia.
    Beijinhos prima Fê

    ResponderEliminar
  25. Só quem vive com animais compreendem até onde vai a sua amizade, quanta fidelidade existe neles. Tu e a Moody vão continuar à espera, ansiosas, pela tua filhota. Um beijinho grande para ti.

    ResponderEliminar
  26. Só quem vive com animais compreendem até onde vai a sua amizade, quanta fidelidade existe neles. Tu e a Moody vão continuar à espera, ansiosas, pela tua filhota. Um beijinho grande para ti.

    ResponderEliminar
  27. Também adoro gatos! Esta é belíssima!
    O poema completa a beleza do post!
    bjs

    ResponderEliminar
  28. Adoro gatos! Têm uma sensibilidade muito especial...
    Há um, todos os anos que costumo fotografar aqui pelas praias da Ericeira...
    Este ano vindo do nada... surgiu num miradouro, bem afastado de uma das praia, onde o costumo encontrar...
    Estava sentada, mais a minha mãe... ele subiu ao banco... sem pedir licença, passou por cima dela... e veio aninhar-se no meu colo, onde ficou enrolado ainda um bom bocado...
    Quando nos viemos embora, nem nos tentou seguir... pois a praia é o seu lugar... tirei-lhe uma ou duas fotos mesmo ao colo, sem muita estética, só para registar o inesperado momento... qualquer dia publico-as por lá, no meu canto...
    Deu para matar saudades do meu gatito de orelha ratada... espero encontrá-lo mais vezes... é bom sinal... para ambos...
    Uma bichinha sortuda a Moody!... Sabe que é muito amada de perto... e de longe...
    Adorei o post, como sempre, Fê!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  29. Lindo felino Fê!
    Moody é linda.
    Os animais vieram pra ensinar nós ser humano, o que é a fidelidade. Só quem convive com animais sabem a grandeza que eles carrega dentro de si.
    Abraço e boa semana!

    ResponderEliminar
  30. Que ternura querida amiga ,uma companhia sem dúvida nenhuma ,beijinhos no coração.

    ResponderEliminar



Obrigada por estarem desse lado!
Fê Blue Bird