segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Ah! só quem vem das trevas e das noites escuras pode amar assim o imenso mundo do sol!


Desfloramento

Venho das noites escuras
e aprendi a ver nas trevas
e a ler nas trevas.

Venho das noites escuras
e sei o grande soluço das sombras
e os cânticos impotentes dos peregrinos.

Venho das noites escuras
daí o meu amor imenso pela luz!

Quanto mais treva era a treva
melhor eu aprendia a amar a luz do sol
e dos meus olhos sempre mais e mais abertos
a luz interior irradiando aniquilava as sombras...

E sendo sempre noite já a pouco e pouco era mais manhã.

E cada vez mais enorme e definitiva amanhã subia
apesar da treva apesar do silêncio apesar de tudo!
O negrume da noite era uma incandescência prenhe.

A flor romântica das trevas esfolhou-se-me nos dedos.

E então nasci.

E então vi que estava nu
e alegrei-me por estar nu
enfim!

Sorvi os frutos da terra
e já não me souberam a papel impresso!

Sacudi a poeira que me tinham ensinado
e comecei então a saber.

Sob as palavras surgiu enfim a voz
e a canção ardente da vida já não encontrou algodão nos meus ouvidos.

Ah! só quem vem das trevas e das noites escuras
pode amar assim o imenso mundo do sol!






BOA SEMANA !

Beijinhos


19 comentários:

  1. http://www.youtube.com/watch?v=NHpv7NKNxco


    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Um texto inteligente, Fê.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito do texto.
    Há coisas que têm de ser assim.
    Um bj

    ResponderEliminar
  4. Gosto do poema, mas gosto muito mais desta música

    obrigado pela calma que transparece, hoje, daqui

    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Ainda estou no fundo das trevas, no meio da noite escura... e sei que amarei o que o poeta diz amar.

    ResponderEliminar
  6. Amiga Fê.
    Não me sinto nas trevas nem vivo na noite escura, mesmo nos dias mais tristes procuro sempre vislumbrar uma réstia de luz e quase sempre consigo descobrir algo em que valha a pena acreditar.

    O texto é interessante, mas a música é muito mais bela.

    Beijinhos e boa semana.

    ResponderEliminar
  7. Fê,

    Perco-me aqui, entre tão lindas palavras, imagens e musica...


    Lindo,lindo.

    Beijinhos

    Ana

    ResponderEliminar
  8. Trevas não Fê.
    Noite escura até pode dar jeito:)

    Beijinho e anima-te

    ResponderEliminar
  9. Esta música é linda, parabéns pela escola.
    Um belo poema.
    Beijos!!

    ResponderEliminar
  10. Soberbo ,hoje estou mesmo a precisar deste momento relaxante de paz ,muito obrigado Fê beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Não sei, amiga Fê, se este meu amor ao sol não se deve também ao facto de me sentir a viver nas trevas.
    Adorei o post
    Beijinho e boa semana

    ResponderEliminar
  12. .

    .

    . mais do que assertivo . belíssimo .

    .

    . neste espaço onde tudo me en.canta .

    .

    . muito obrigado .

    .

    . um beijo meu .

    .

    .

    ResponderEliminar

  13. "Sacudi a poeira que me tinham ensinado / e comecei então a saber."

    Porque

    "só quem vem das trevas e das noites escuras / pode amar assim o imenso mundo do sol!"

    Assim é!

    Beijinho

    Laura

    ResponderEliminar
  14. Quem vêm das trevas!
    Dá mais valor ao sol!
    Quem está doente, dá valor à saúde.
    Muitas vezes não damos valor ao que está nossa frente.

    Beijinhos com muita luz solar

    ResponderEliminar
  15. Ah! só quem vem das trevas e das noites escuras
    pode amar assim o imenso mundo do sol! Esse imenso mundo de sol parece-lhe até muito maior do que na realidade é. Adorei a musica, também. Beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Adorei!
    Não gosto do escuro, gosto da noite apenas pelo seu silêncio, pela lua, pelas estrelas, mas adoro o sol, quando não vejo sol sinto-me no escuro.
    Adoro a música estive a ouvi-la na sexta feira à noite mais o meu "folha seca".

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  17. Gostei muito deste seu post.
    Tudo se encaixa.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  18. só quem lá esteve, sabe como é. um poço fundo, escuro, sem cor ou esperança. só quem lá esteve, sabe como cada pontinho de luz é como o sangue que nos dá vida. já lá estivemos, as duas. nesse poço fundo, escuro. agora, podemos ver o sol. esqueçamos a escuridão, mana querida... temos a eternidade cheia de cor, para viver....

    ResponderEliminar

Todos os comentários serão respondidos e as visitas retribuídas.
Prometo ser tão breve quanto a minha saúde e disponibilidade o permitir.
Obrigada, por me darem 5 minutos do vosso tempo.