quarta-feira, 10 de março de 2021

VEM E TRAZ UM POEMA ...

... que preencha este silêncio.

foto minha

Pode ser um poema escrito ou escolhido por ti.
Prometo que o vou ler em voz alta
até que a paisagem se agite.

Fê blue bird

~~*~~


Esperança! 

 Quantas vezes nesses bancos
 juras de amor trocamos... 
Mais tarde, o tempo passou... 
Cada um de nossos filhos ali brincou.

 Hoje ,até dos netos estamos afastados,
 por isso, nosso jardim tristonho a se mostrar!
 Mas esperamos ver tudo isso acabado, 
logo faltarão bancos ,
seremos muitos a ali sentar!

~~*~~


Primavera Partilhada

 Olharam-se como sempre 
 Frente a frente 
 Partilharam memórias de ambos conhecidas
 mas com o sabor 
 de quem não se cansa
 de as ouvir repetidas
 Partilhavam ali toda uma vida 
 e a alegria da partilha 
 Partilhavam agora a solidão da espera
 Pacientes
 Com a certeza 
 De que em breve seria Primavera.

~~*~~


 SONETO PARA UM PIC-NIC NO JARDIM

 * 
 Venho sentar-me num destes banquinhos; 
 Trago um poema no bojo da saia
 E a curiosidade da catraia 
 Que explora bosques procurando ninhos.
 *
 Não dou conselhos nem sigo os caminhos 
 Pelos quais meu olhar se alonga e espraia
 E é melhor que me sente antes que caia
 Do alto dos meus passos rasteirinhos...
 * 
 O meu soneto é para partilhar;
 Foi cortado em fatias quase iguais
 Pra que ambas o possamos degustar.
 * 
 Não é pequeno nem grande demais
 E foi cozido no forno solar
 Em que preparo as refeições normais...

~~*~~


Tempo sem Tempo

Para ti, minha irmã
escrevo
este pobre poema.

Para te falar da angústia
e do medo
que enche
os bancos vazios de gente
nos jardins
e parques do meu país.

Para te falar
deste tempo sem tempo
de horas intermináveis
de solidão e saudade.
E das vacinas que não chegam
perdidas
nos escuros labirintos de interesses
das indústrias farmacêuticas.

Para te falar, também
que por trás de cada máscara
de cada abraço que não se deu
de cada sonho que não se cumpriu.
A esperança é um pequeno barco
que navega
neste imenso mar
adormecido
que é a nossa vida,
em tempo de pandemia.

*

 Banco de Jardim 

 Aquele banco de jardim, abrigado pela árvore 
tem histórias p'ra contar.
 Fala de pássaros, de ninhos, de meninos a brincar.

 Fala de um velhinho 
que reparte pelos pombos saquinhos de afeição:
 migalhas da migalha à sua mesa.
 São eles os seus amigos, é com eles que conversa.
 Conta dos filhos ausentes, do lar, da solidão...

 Depois vem o outono expulsar os passarinhos 
Vem o inverno p'ra ficar eternamente... 

 Porém, uma manhã, de repente
 os pássaros voltam a encher de vida os ninhos,
 voltam os pombos, o sol e o riso dos meninos. 

 Mas algo se faz diferente, alguma coisa mudou.
 À tarde, naquele canto sombrio,
o banco jaz vazio.
 O velhinho não voltou.

 Lídia Borges

~~*~~


Doloroso isolamento.

 Naquele parque tantos encontros,
 nas belas tardes da linda estação, 
 foram horas alegres pelos bancos, 
 que os vejo solitários neste verão.

 Quisera não ver a triste imagem,
 da terra ressecada como o sertão.
Na aridez da dor sinto miragem.
 Nos olhos verdes, vejo abstração.

 A falta da palavra neste silencio,
 que ensurdece vis pensamentos, 
 há uma saudade sem armistício,
 no isolamento dores, tormentos.

 No ar perfume de uma açucena,
 esvaece os pensamentos pueris.
 vem Primavera na quarentena, 
 ameniza isolamento sui generis.

~~*~~


 Há sempre um poema 
para um amigo 
há sempre um poema
 mesmo que antigo 
há sempre um poema
 umas palavras
 um sorriso.

~~*~~


 São bancos de jardim
 Bancos de madeira 

 Bancos de conversar
 e de memórias
 de afectos 
 de pensar e de histórias 

 Bancos com nomes, datas e corações 
 de casalinhos enamorados 
 juras de amor eterno e de tantas ilusões

 Bancos de tristeza e solidão
 de velhas vidas, em negras vestes
 buscam companhia na voz da folhagem e do melro a canção 

 Bancos de alegria e tropelias 
 da gritaria da criançada 
 promessa de vida e amor, de continuidade, um destes dias

~~*~~


 Viver de pouco
 Ou coisa nenhuma 
De recordações fugazes: 
Gestos apenas esboçados
 Palavras mal proferidas 
Silêncios...

 Eis o que eu tenho 
O que me resta afinal 
Daquela quimera
Apenas entrevista,
Dos dias de sol e sombra
Em vão vividos à espera
De um renascer!

~~*~~


 Sento-me
 Junto 
A ti 
Como
 Se me 
Debruçasse
 Sobre Um abismo:
 A vertigem 
Do absurdo 
Cega-me
 Os dias 
E o mundo 
Resta mudo.

~~*~~


 Dois bancos vagos
Sozinhos
No meio do nada
Árvores fatigadas
Pelo tempo
Silêncios enfeitiçados
Sem carinhos
Quebrados pelo vento
Numa natureza
Outrora era apreciada.
E agora restam apenas
Lembranças...

~~*~~


Muitas Estórias Para Contar... 

 Bancos, agora, inertes e calados, 
 experimentaram abraços, beijos, sorrisos e prantos,
 conversas apaixonadas e pessoas caladas.
 Quando estes bancos voltarem a se agitar 
 Terão muitas histórias para contar...

~~*~~


Cinco minutos

 Cinco minutos podem ser uma eternidade
 Ou um simples momento de felicidade
 Podem ser tudo o que cabe num poema
 Ou dois bancos em palavras de gema
 Podem ser a minha leitura, ainda pequena 
Que dela farei uma primavera amena 
Com tanta flor a despontar
 E com aroma poético a se dar.

~~*~~

 
 Escrevi no banco 

 Não apararam a relva do jardim
 Atravessei apressada e vim
 Tinha aquela ansiedade que conheces
 Esperava teus passos
 A divagar por ali 
Esperava teus olhos de mel
 Teus contos entre abraços
 Tocar-te a pele

 Fui tomando notas
 Queria dizer-te 
Queria ler-te
 Enfim!

~~*~~


A Espera

Quantas confidências
Quantas amores
Presenciamos.
Hoje estamos
Esquecidos
Mas não solitários
Estamos aqui
Juntos no aguardo
De presenciarmos
Tudo de todos
Que possam chegar.

~~*~~


Resgate de um Jardim sem Flor

Senhor, onde está o meu jardineiro ?
Onde o colocaste, Mestre, Medianeiro,
conta para mim como ele está agora ?
Na tardezinha, ele vinha sem demora.

Sentávamos num prosa tão boa e feliz,
repúnhamos energia consumidas na lida. 
Num gramado verde, flores, como condiz,
numa ternura branda, afagava nossa vida.

Donde o puseste, Senhor ? Sabes do Amor
tão gratuito como a natureza que brinda
a cada ser vivente. Dolente, murcha flor,
estou por cá, só como o banco da berlinda.

Cada dia o espero à sombra de uma árvore
sua copa já nos deu tão bom refrigério...
Já sei, Amado Meu, de juiz não se arvore,
por que escondê-lo de mim. Que sacrilégio.

~~*~~


Aqui,
abrigada da brisa,
mas envolta em Luz...

Porque preciso de Luz...
Para respirar novamente,
agora que me deixaste...
e só tenho histórias,
memórias
de ti....

~~*~~


Olho os teus olhos de frente,
Vejo reflexos dos Céus...
Fico feliz e contente,
Porque os olhos sem véus
Mostram tudo transparente.

~~*~~


Se um banco ao outro falasse
Talvez lhe confessasse
O que custa a solidão
E num abraço apertado
Lhe diria tem cuidado
Não te separes de mim não
.
Os dois aqui sozinhos
Até os lindos meninos
Que junto a nós brincavam
Alguém os veio buscar
E na sua casa confinar
Quando em nós se sentavam
.
Aqui no meio da natureza
Os dois temos a certeza
Que tudo um dia mudará
Que os silêncios terminarão
E os sorrisos viltarão
E alguém em nós se sentará

~~*~~


Quanta homenagens a poetas
Que postam na blogosfera.
Aqui há uma atmosfera
De vozes tanto seletas
Quanto, à medida, discretas.
Tua generosidade
É um poema que invade
Nossas almas de encanto.
Oh, Fê, talvez canto
Tem som de pura amizade.

~~*~~


Descansa aqui.
Não importa de onde venham as flores
e as estrelas.
Não te perguntes. Acalma o frio das perguntas
olhando só para elas.
Na exaustão dos porquês, tens as respostas
no êxtase do teu olhar. Revê-te nelas.
E tu não sendo uma estrela, és muito maior que elas.


~~*~~


"Não basta abrir a janela
Para ver os campos e o rio.
Não é bastante não ser cego
Para ver as árvores e as flores.
É preciso também não ter filosofia nenhuma.
Com filosofia não há árvores: há ideias apenas.
Há só cada um de nós, como uma cave.
Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora;
E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,
Que nunca é o que se vê quando
Se abre uma janela."

Alberto Caeiro

~~*~~

90 comentários:

  1. Aceitei o convite e fiz umas linhas por lá! Podes ver: Adorei a foto! beijs, chica

    https://fincandoraizes.blogspot.com/2021/03/esperanca.html

    ResponderEliminar
  2. Eu sabia que a amiga Chica, não ia resistir a este convite.
    Vou já lá espreitar ! ;)

    Beijinho e obrigada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigadão e não resisti mesmo! Ando precisando o quanto mais, mexer a cuca e didtrair...bjs,chica

      Eliminar
  3. Vamos lá ver se a Musa se digna voltar amanhã :)

    Estou muito cansada e, a esta hora, quase não vejo, mas prometo que amanhã tento trazer-lhe um poema!

    Outro beijinho inteiro, Blue Bird.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria João,
      Eu à noite também estou muito cansada, saí logo que publiquei este seu comentário. Aliás não posso estar muito tempo sentada, só estou na net um pouco depois do almoço e depois do jantar o máximo até às 21.30h.
      Já vi o poema, que vou ler em voz alta !

      beijinho grato

      Eliminar
  4. A esperança tem de ser a última a morrer. A foto é magistral. Tudo irá melhorar. Tem de melhorar
    .
    Abraço … Cuide-se
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ricardo
      A esperança permanece mas já começa a desfalecer .
      Também assim o desejo!

      Um abraço!

      Eliminar
  5. Não há pedido que me faça
    que eu em não satisfaça
    ou pelo menos não tente

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sabia, que o Rogério não me faltaria :)

      Já o recebi, vou o lê-lo em voz alta !
      Beijinho

      Eliminar
  6. SONETO PARA UM PIC-NIC NO JARDIM
    *



    Venho sentar-me num destes banquinhos;

    Trago um poema no bojo da saia

    E a curiosidade da catraia

    Que explora bosques procurando ninhos.
    *


    Não dou conselhos nem sigo os caminhos

    Pelos quais meu olhar se alonga e espraia

    E é melhor que me sente antes que caia

    Do alto dos meus passos rasteirinhos...
    *


    O meu soneto é para partilhar;

    Foi cortado em fatias quase iguais

    Pra que ambas o possamos degustar.
    *


    Não é pequeno nem grande demais

    E foi cozido no forno solar

    Em que preparo as refeições normais...
    *



    Maria João Brito de Sousa - 10.03.2021 - 21.49h

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Maria João, já está partilhado.
      Mesmo cansada, despertou a sua musa .
      Devorei tudo com a sofreguidão de quem há muito não tinha o prazer de degustar tamanha iguaria.

      Um beijinho com admiração e estima.

      Eliminar
    2. HÁ MOMENTOS EM QUE A VONTADE PODE MAIS DO QUE O CANSAÇO E ATÉ DO QUE A MUSA :)

      NÃO ME FUI DEITAR SEM LHO ENVIAR.

      OBRIGADA, BLUE BIRD!

      Eliminar
    3. A sua vontade em estar aqui, merece todo o meu respeito e agradecimento Maria João.

      OBRIGADA!

      Eliminar
  7. O poema é lindo, mas a fotografia é peculiar. Tão a propósito dos tempos de agora!
    Grata pela visita ao meu blogue. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem-Vinda Jovita !
      Por acaso esta fotografia não é recente, foi tirada antes da pandemia. Quem diria que estaria tão atualizada.

      Um beijinho e volta sempre !

      Eliminar
  8. Não tenho jeito para a poesia, Fê.
    Talvez possa deixar aqui um poema de que gosto muito:

    Banco de Jardim

    Aquele banco de jardim, abrigado pela árvore
    tem histórias p'ra contar.
    Fala de pássaros, de ninhos, de meninos a brincar.

    Fala de um velhinho
    que reparte pelos pombos saquinhos de afeição:
    migalhas da migalha à sua mesa.
    São eles os seus amigos, é com eles que conversa.
    Conta dos filhos ausentes, do lar, da solidão...

    Depois vem o outono expulsar os passarinhos
    Vem o inverno p'ra ficar eternamente...

    Porém, uma manhã, de repente
    os pássaros voltam a encher de vida os ninhos,
    voltam os pombos, o sol e o riso dos meninos.

    Mas algo se faz diferente, alguma coisa mudou.
    À tarde, naquele canto sombrio, o banco jaz vazio.
    O velhinho não voltou.


    Lídia Borges

    Abraço e saúde

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Elvira,
      Fez uma escolha excelente de uma poeta que aprecio também.
      Não diga que não tem jeito para a poesia, já li belíssimos poemas seus.

      Abraço e muita saúde para si e para os seus.

      Eliminar
    2. Também eu! Já li lindíssimos poemas da Elvira! :)

      Bjs

      Eliminar
  9. Olá querida Fê, aceitei e trago o link:
    https://mineirinho-passaredo.blogspot.com/

    Uma imagem que grita aos ouvidos neste momento que vivemos.
    Gostei da ideia.
    Beijo amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido amigo Toninho, obrigada!

      Também sabia que o meu amigo não resistiria a este apelo.
      Foi uma ideia que me saiu de repente para animar esta paisagem e o meu cantinho.
      Vou já lá espreitar e trazê-lo para aqui.

      Beijinho

      Eliminar
  10. Há sempre um poema
    para um amigo
    há sempre um poema
    mesmo que antigo
    há sempre um poema
    umas palavras
    um sorriso.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, amigo
      por me oferecer um poema, mesmo antigo, umas palavras e um sorriso.
      Nada mais é preciso.

      Abraço grato!

      Eliminar
  11. Respostas
    1. Obrigada Noname.
      Por estar presente neste nosso jardim, agora bem mais preenchido.

      Um beijinho

      Eliminar
  12. Bom dia, Fê
    Interessante este seu desafio.
    E, à vista daqueles dois bancos vazios, escrevi isto:

    Viver de pouco
    Ou coisa nenhuma
    De recordações fugazes:
    Gestos apenas esboçados
    Palavras mal proferidas
    Silêncios...

    Eis o que eu tenho
    O que me resta afinal
    Daquela quimera
    Apenas entrevista,
    Dos dias de sol e sombra
    Em vão vividos à espera
    De um renascer!

    Olinda Melo

    Um pouco dramático, mas pronto,
    foi o que se pôde arranjar. :))

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está perfeito Olinda, obrigada!
      Escreveu o que a sua alma lhe ditou.
      Temos que acreditar que vamos renascer, e unidos na poesia, é mais fácil, não acha?

      Beijinho grato

      Eliminar
  13. Bom dia
    Um poema curto mas cheio de ternura sobre o passado , o presente e o futuro.
    Obrigada por estes cinco minutos !!

    JR

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Joaquim, pela sua apreciação.
      Eu é que agradeço a sua visita.

      Um abraço!

      Eliminar
  14. Quer um poema ? Espero que lhe agrade este que faz parte do meu livro individual "Em Ouro Cru":

    Sento-me
    Junto
    A ti
    Como
    Se me
    Debruçasse
    Sobre
    Um abismo:
    A vertigem
    Do absurdo
    Cega-me
    Os dias
    E o mindo
    Resta mudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada São pela sua bela participação.

      Vou já colocá-la junto das outras, que preenchem esta nova paisagem.

      Beijinho

      Eliminar
  15. Dois bancos vagos
    Sozinhos
    No meio do nada
    Árvores fatigadas
    Pelo tempo
    Silêncios enfeitiçados
    Sem carinhos
    Quebrados pelo vento
    Numa natureza
    Outrora era apreciada.
    E agora restam apenas
    Lembranças...
    -
    Fome de viver, de respirar ...
    -
    Beijos e um dia feliz!. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cidália, ficou perfeito, obrigada!

      Um beijinho e continuação de um dia feliz também para si.

      Eliminar
  16. A foto dá boas pistas para um poema.
    Continuação de boa semana, querida amiga Fê.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada amigo Jaime.

      Um beijinho e continuação de boa semana para si também !

      Eliminar
  17. Não!
    Nunca!
    A vida e a poesia não se confinam
    e talvez, nesta Primavera
    possamos
    sentar-nos nesses bancos!

    Beijinho
    (ao meu poema, respondendo ao meu pedido
    deste-lhe um bom título)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já estou a imaginar todos os poetas reunidos à volta desta paisagem.
      Seria uma eterna primavera.
      Fico feliz por ter gostado do título que escolhi.

      beijinho

      Eliminar
  18. Olá querida Fê
    Espero goste dos meus rabiscos
    Minha participação:
    https://interagindocomosbichinhos.blogspot.com/2021/03/vem-e-traz-um-poema.html
    Adorei participar!
    Muitos beijinhos
    Verena.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom ter aqui a sua presença querida Verena,
      Vou já lá espreitar, e colocar aqui também em destaque.

      Muitos beijinhos e obrigada!

      Eliminar
  19. Uau! Que olhar encantador e que belas participações!!! O meu 👏👏👏... Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Gracinha!

      Fico muito feliz por ter aplaudido este desafio .

      Beijinho

      Eliminar
  20. Passei agora pra ler e adorei ver tantas lindas poesias e participações! Valeu! Parabéns a todos! beijos, chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim Chica,
      estou muito feliz por ter reunido aqui, além dos amigos que estimo, poemas tão belos e sentidos.
      Obrigada !

      Um beijinho amiga Chica

      Eliminar
  21. Os amigos acorreram ao seu convite, Blue Bird, e o resultado foi um belo conjunto de poemas!

    Agradeço--lhe o convite, bem como a possibilidade de apreciar este belo e florido jardim de poesia.

    Um grande beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como acabei de responder à Chica, estou muito comovida por ter uma colaboração poética com esta qualidade.
      Eu é que lhe agradeço querida Maria João, por ter aceite e fazer parte deste jardim de poesia.

      grande beijinho para si também!

      Eliminar
  22. Gostei imenso de ler os poemas de quem aceitou o convite. E fiquei envergonhada por ter sido a única a recorrer a um poema de uma escritora que muito admiro.
    Sempre penso que não sei escrever poesia e há muito não escrevia um poema. Mas como disse fiquei envergonhada e acabo de escrever algo a que nem sei se posso chamar poema, mas enfim, aqui vai.

    Tempo sem Tempo

    Para ti, minha irmã
    escrevo
    este pobre poema.

    Para te falar da angústia
    e do medo
    que enche
    os bancos vazios de gente
    nos jardins
    e parques do meu país.



    Para te falar
    deste tempo sem tempo
    de horas intermináveis
    de solidão e saudade.
    E das vacinas que não chegam
    perdidas
    nos escuros labirintos de interesses
    das indústrias farmacêuticas.


    Para te falar, também
    que por trás de cada máscara
    de cada abraço que não se deu
    de cada sonho que não se cumpriu.
    A esperança é um pequeno barco
    que navega
    neste imenso mar
    adormecido
    que é a nossa vida,
    em tempo de pandemia.

    Abraço e saúde

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Elvira, estou sem palavras!
      Nunca mais diga que não tem jeito para escrever poemas, o que aqui escreveu, prova o contrário.
      Uma maravilhoso e actualíssimo poema, que vai enriquecer ainda mais o nosso jardim florido de poesia, como disse e bem a Maria João.
      O meu profundo agradecimento Elvira.

      Beijinho e muita saúde Também para si.

      Eliminar
  23. Obrigada querida Fê por postar a minha participação.
    Amei o desafio!
    Um beijinho carinhoso
    Verena.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu é que agradeço querida Verena.
      Agora sim, agitámos a nossa paisagem!

      Beijinho carinhoso também para si.

      Eliminar
  24. Que bela surpresa ler aqui poemas lindos.
    Uma participação notável e uma ideia brilhante.
    Gostei muito da foto.
    Beijinhos Fê.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Manu,
      esta foto foi tirada antes da pandemia, parece que a paisagem já previa este cenário.

      Beijinhos

      Eliminar
  25. Cinco minutos

    Cinco minutos podem ser uma eternidade
    Ou um simples momento de felicidade
    Podem ser tudo o que cabe num poema
    Ou dois bancos em palavras de gema
    Podem ser a minha leitura, ainda pequena
    Que dela farei uma primavera amena
    Com tanta flor a despontar
    E com aroma poético a se dar.

    Gostei muito da sua página. E não guarde as palavras numa gaveta. Deixe-as voar,
    livres, para quando a outros chegarem, surpreendam tanto, como a surpresa de as ter, um dia, escrito. Concordo que parecerão a outros a sua origem...

    Obrigado pelo comentário simpático e gentil num dos meus blogs. Fico seguidor.
    Abraço amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem-Vindo Luís!
      Eu é que agradeço, por ter retribuído a minha visita, e por ter participado com tão belo e significativo poema.
      Vou juntá-lo aos demais aqui publicados.

      Abraço grato e amigo!

      Eliminar
  26. Escrevi no banco

    Não apararam a relva do jardim
    Atravessei apressada e vim
    Tinha aquela ansiedade que conheces
    Esperava teus passos
    A divagar por ali
    Esperava teus olhos de mel
    Teus contos entre abraços
    Tocar-te a pele

    Fui tomando notas
    Queria dizer-te
    Queria ler-te
    Enfim!


    Teresa Almeida Subtil

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Teresa veio, trouxe um poema e agitou a paisagem !
      Obrigada pela sua excelente contribuição.

      O nosso jardim está cada vez mais florido.

      Beijinho grato

      Eliminar
    2. Eu é que agradeço, querida Fé.
      Gostei do desafio. Nunca sabemos por onde vamos.

      Beijos e saúde.

      Eliminar

  27. Os meus parabéns a quem participou.
    .
    Cumprimentos poéticos.
    Cuide-se
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, estamos todos de parabéns!
      Obrigada Ricardo.

      Cumprimentos poéticos e cuidados retribuídos.

      Eliminar
  28. Boa noite . Vi no Toninho e amei a ideia. Não recebo atualizações dos blogs assim acabo perdendo boas ideias.
    Mas vou deixar uma pequena participação

    A Espera

    Quantas confidências
    Quantas amores
    Presenciamos.
    Hoje estamos
    Esquecidos
    Mas não solitários
    Estamos aqui
    Juntos no aguardo
    De presenciarmos
    Tudo de todos
    Que possam chegar.
    Norma Emiliano

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Norma,
      Obrigada pela sua participação, para mim todas são grandes!
      Concordo em absoluto com o seu poema e saliento :
      " Hoje estamos
      Esquecidos
      Mas não solitários."

      Este nosso jardim florido é prova disso.

      Um beijinho

      Eliminar
  29. Minha doce amiga, Fê, jamais deixaria de participar de sua belíssima e oportuna iniciativa que, para mim, veio de uma amiga muito querida do meu 💙 há muitos e muitos anos de vida do blog que sempre participa das minhas com tanto esmero e generosidade.
    Trouxe minha participação tão logo ter podido voltar, como sabe motivos:
    https://www.idade-espiritual.com.br/2021/03/resgate-de-um-jardim-sem-flor.html
    Um poeminha e minhas preces, contando com as suas valiosas.
    Recebe meu carinho fraterno e gratidão de sempre.
    Seja muito abençoada, querida!
    Beijinhos, saúde e paz
    🙌🙏🕊️💐👼🏡🍀😘

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida amiga Rosélia, OBRIGADA!
      A nossa longa amizade já ultrapassou a virtualidade dos blogues. Já partilhámos tantas vivências, muitas alegrias, e também muitas dores.
      Rezo todos os dias para que nunca nos falte a coragem para ultrapassar os obstáculos.
      A sua participação é muito preciosa para mim, pelos motivos que ambas sabemos.
      Terá sempre o meu carinho e amizade e sei que também posso contar com o seu.

      Receba um abraço apertadinho
      Bem-haja!

      Eliminar
    2. 💐💐💐💐💐💐💐💐💐💐💐💐
      😘😘😘

      Eliminar
  30. Ideia interessante, ainda posso participar?

    Há tantas histórias
    que poderia escrever aqui...

    Aqui,
    abrigada da brisa,
    mas envolta em Luz...

    Porque preciso de Luz...
    Para respirar novamente,
    agora que me deixaste...
    e só tenho histórias,
    memórias
    de ti....

    Obrigada pela visita

    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marta ,
      Claro que pode, está aberto a todos os poetas !
      Obrigada pela sua inspirada participação que vou adicionar com prazer .

      Um beijinho grato

      Eliminar
  31. Mágico!!! Adorei, Amiga. São Poemas que "dizem" muito da realidade da Vida.

    Olho os teus olhos de frente,
    Vejo reflexos dos Céus...
    Fico feliz e contente,
    Porque os olhos sem véus
    Mostram tudo transparente.

    Parabéns.
    Beijo
    SOL da Esteva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Sol,
      Estou muito feliz por ter um poema seu, no nosso jardim.
      Um jardim cada vez mais colorido de poesia.
      O meu bem-haja!

      Beijinho grato

      Eliminar
  32. Se um banco ao outro falasse
    Talvez lhe confessasse
    O que custa a solidão
    E num abraço apertado
    Lhe diria tem cuidado
    Não te separes de mim não
    .
    Os dois aqui sozinhos
    Até os lindos meninos
    Que junto a nós brincavam
    Alguém os veio buscar
    E na sua casa confinar
    Quando em nós se sentavam
    .
    Aqui no meio da natureza
    Os dois temos a certeza
    Que tudo um dia mudará
    Que os silêncios terminarão
    E os sorrisos viltarão
    E alguém em nós se sentará
    ............
    Uma pequenina homenagem aos bancos vazios
    Feliz fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sabia que um poeta como o Ricardo, não iris resistir a este apelo.
      Acredite que estou muito feliz por incluir o seu belíssimo poema neste nosso jardim de poesia.
      Muito obrigada !
      Beijinho, continuação de feliz e inspirado domingo.

      Eliminar
  33. Quanta homenagens a poetas
    Que postam na blogosfera.
    Aqui há uma atmosfera
    De vozes tanto seletas
    Quanto, à medida, discretas.
    Tua generosidade
    É um poema que invade
    Nossas almas de encanto.
    Oh, Fê, talvez canto
    Tem som de pura amizade.

    Parabéns, por tão rica postagem! Grato pela partilha. Abraço cordial. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Laerte,
      Fiquei tão feliz por ver aqui a sua contribuição.
      Um poema tão lisonjeador e carinhoso, obrigada!
      Já está junto aos demais. Cada dia está mais belo o nosso jardim!
      Um abraço grato.

      Eliminar
  34. Que coisa mais linda Fê, seu convite foi uma linda semente nos inspirados e aqui li belas construções em seus estilos mais variados.
    Aplausos amiga pela ideia.
    Bom domingo.
    Beijo de paz Fê.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Toninho,
      Uma semente que deu tão belas flores, um pré anúncio da Primavera, que por aqui está quase a despontar.
      Nunca imaginei que este meu convite, juntasse tantas poetas e esta maravilhosa coletânea de poemas.

      Continuação de feliz domingo também para si.

      Beijinho

      Eliminar
  35. Bom domingo, querida amiga Fê!
    Li todos e saio muito contemplada de paz de vergel. Seu convite foi um refrigério na semana.
    Parabéns, amiga!
    Faz outros, por gentileza, com calma.
    Você agregou muitos valores para nós e nos irmanou pela poesia.
    Seja muito feliz e abençoada!
    Beijinhos de muita gratidão por tão belo momento

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida amiga Rosélia,
      Tantos amigos que responderam ao meu apelo, sinceramente não estava à espera e estou muito feliz com o resultado, tantos poemas e tanta qualidade poética reunidos.
      Vou tentar, mais para a frente, com calma, como a amiga bem disse.

      Um beijinho com profunda gratidão

      Eliminar
  36. Descobri o seu cantinho através da página do Laerte Tavares. Gostei muito da partilha que fez de páginas, algumas das quais eu já seguia. Gostei igualmente imenso da sua fotografia. Já estou a seguir o seu blog. Convido-a a visitar e a seguir também o meu https://primeirolimao.blogspot.com/.

    Um beijinho e bom fim-de-semana,
    Vanessa Casais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem-Vinda Vanessa.
      A página do amigo Laerte é uma referência.
      Obrigada pelo seu simpático comentário, vou retribuir a sua visita com todo o gosto .

      Um beijinho e boa semana :)

      Eliminar
  37. Só agora aqui chego, minha amiga...
    Uma iniciativa muito linda!
    Deixo-te o meu abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico grata Ana pelo teu reconhecimento.

      Outro abraço para ti minha amiga.

      Eliminar
  38. Fê,
    Muito linda
    essa proposta e
    todos esses versos.
    Bjins de boa nova semana
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Catiaho.
      Uma proposta que deu certo :)

      Beijinho e boa semana para si também !

      Eliminar
  39. É a linguagem que nos transcende, rica em significados, e que nos permite ir mais além, a poesia. Gosto muito. Um abraço! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem-Vinda Raquel !
      A poesia sempre nos enriquece.
      Obrigada!

      Um abraço para si também !

      Eliminar
  40. Minha amiga, gostaria muito de poder trazer um poema, mas não tenho qualquer veia poética.
    Ser poeta, é transmitir nas suas palavras, toda a magia que vai no coração e tocar assim a alma de quem lê e essa capacidade não é para todos.
    Muitos parabéns a todos, pelas suas delicadas e belas poesias.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada amiga Maria, pelas suas palavras de apreço .
      O apelo que fiz podia incluir um poema que gostássemos, não necessariamente nosso. Para o próximo conto consigo, combinado ?

      Um beijinho

      Eliminar
  41. :) E os poemas cresceram e multiplicaram-se no seu jardim, Blue Bird!

    Vinha descansar um pouco num dos seus banquinhos e reparo que a Primavera chegou cá primeiro do que eu :)


    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Maria João, nunca pensei ter no nosso jardim, tantos poetas!
      Estou reconhecida a todos !
      Venha sempre que quiser, o jardim está sempre aberto para si, e desejo que a Primavera também :)

      Beijinho

      Eliminar
  42. Descansa aqui.
    Não importa de onde venham as flores
    e as estrelas.
    Não te perguntes. Acalma o frio das perguntas
    olhando só para elas.
    Na exaustão dos porquês, tens as respostas
    no êxtase do teu olhar. Revê-te nelas.
    E tu não sendo uma estrela, és muito maior que elas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bonito Manuela, obrigada !
      Vou colocá-lo onde merece, junto dos outros poemas.

      Beijinho grato

      Eliminar
  43. Fantástica iniciativa, Fê!
    Trouxe comigo este pequeno grande poema de Pessoa... do seu heterónimo Alberto Caeiro, "É preciso não ter filosofia nenhuma"... visto eu gostar de mostrar tantas vezes, árvores, campos, flores e rios...

    "Não basta abrir a janela
    Para ver os campos e o rio.
    Não é bastante não ser cego
    Para ver as árvores e as flores.
    É preciso também não ter filosofia nenhuma.
    Com filosofia não há árvores: há ideias apenas.
    Há só cada um de nós, como uma cave.
    Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora;
    E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,
    Que nunca é o que se vê quando
    Se abre uma janela."

    Beijinhos, Fê! Continuação de uma boa e inspiradora semana!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Ana, adoro Fernando Pessoa, um grande poeta e um grande visionário.
      Este poema é muito significativo, tanto que o vou incluir ali em cima :)

      Obrigada uma vez mais.

      beijinhos

      Eliminar

Todos os comentários serão respondidos e as visitas retribuídas.
Prometo ser tão breve quanto a minha saúde e disponibilidade o permitir.
Obrigada, por me darem 5 minutos do vosso tempo.